#ChooseUltraje

Features

Calma que não é arroz – lançamentos de 28.09.2018

Publicado há

-

Esta é uma das semanas mais activas do ano, com muitos lançamentos para todos os gostos. Damos destaque ao black metal, ao death metal melódico, ao power metal ao rock progressivo e a uma vertigem técnica. Mas escolham o vosso veneno.

-/-

Anaal Nathrakh “A New Kind Of Horror”
Género: black/death/industrial/grindcore
Origem: Inglaterra
Editora: Metal Blade Records

É impressionante a quantidade de diferentes estilos de metal, dinâmica, ideias geniais e cagaçal que os Anaal Nathrakh conseguem enfiar em poucos minutos de música. E, ao décimo álbum de originais, a banda não mostra sinais de abrandamento ou esgotamento artístico. (Review publicada no #18 da Ultraje)*

 

-/-

Brainstorm “Midnight Ghost”
Género: power metal
Origem: Alemanha
Editora: AFM Records

Prestes a celebrar três décadas de carreira e a editarem o seu 12º álbum de originais, os Brainstorm confirmam-se como um dos mais sólidos nomes da terra do power metal: a Alemanha. “Midnight Ghost” tem tudo o que um fã de power metal gosta, em doses bem generosas.

 

-/-

Revocation “The Outer Ones”
Género: death/thrash metal
Origem: EUA
Editora: Metal Blade Records

Equilibrando de forma exímia o lado mais técnico do death metal e do thrash, os Revocation construíram uma carreira exemplar e sem pontos fracos. O seu novo álbum de originais é mais um ensaio de extremismo submetido ao poder técnico e a ocasionais ambientes harmónicos. (Review publicada no #18 da Ultraje)*

 

-/-

Riverside “Wasteland”
Género: rock/metal progressivo
Origem: Polónia
Editora: InsideOut Music

Normalmente mencionados nas mesmas frases que incluem Porcupine Tree e Opeth, os polacos Riverside regressam aos lançamentos naquele que é o primeiro disco depois do trágico falecimento do guitarrista Piotr Grudzinski. Melodia, sentimento e guitarras à Pink Floyd em barda.

 

-/-

Vreid “Lifehunger”
Género: black metal
Origem: Noruega
Editora: Season of Mist

Os Vreid encabeçam a nova vaga de black metal melódico oriunda do norte da Europa. Épicos, extremos, intensos e cada vez mais maduros, os noruegueses apresentam um álbum monstruoso em “Lifehunger” e provam que o black metal melódico não está morto. (Review publicada no #18 da Ultraje)*

 

-/-

Wolfheart “Constellation Of The Black Light”
Género: death metal
Origem: Finlândia
Editora: Napalm Records

Nascidos em 2013 da mente incansável de Tuomas Saukkonen (ex-Before The Dawn), os Wolfheart rapidamente se transformaram nos herdeiros da melancolia finlandesa através de um death metal melódico incrivelmente atmosférico e envolvente. O novo disco não desilude. (Review publicada no #18 da Ultraje)*

 

-/-

*A Ultraje é actualmente distribuída gratuitamente em vários pontos especializados, mas podes continuar a recebê-la comodamente em casa ao subscrever o Six-Pack AQUI (apenas são cobrados os portes). O #18 conta com Behemoth na capa.

-/-

Outros lançamentos de hoje:
– Abysmal Lord/Crurifragium «Split» 7” EP (Hells Headbangers) – black/death metal
– A Forest Of Stars «Grave Mounds And Grave Mistakes» (Prophecy) – black metal
– Akula «Akula» (Hellmistress) – doom/post metal
– Anti-Flag «American Reckoning» (Spinefarm) – punk/hardcore
– Asylum «3-3-88» (Shadow Kingdom) – doom metal
– Atrament «Scum Sect» (Sentient Ruin) – black metal/crust
– Beartooth «Disease» (Red Bull) – punk/hardcore melódico
– Binah «Phobiate» (Osmose) – death metal
– Black Funeral «The Dust And Darkness» (Iron Bonehead) – black metal/dark ambient
– Bonehunter «Children Of The Atom» (Hells Headbangers) – black/thrash metal/punk
– Cataya «Firn» (Moment Of Collapse) – post-metal
– C Average «III» (Adulta Fantasy/K) – heavy/doom metal
– Dakhma «Hamkar Atonement» (Iron Bonehead) – black/death metal
– Darkenhöld «Memoria Sylvarum» (LADLO) – black metal
– Death Worship «Extermination Mass» (Nuclear War Now!) – black/death metal
– Demande À La Poussière «Demande À La Poussière» (Argonauta) – black metal/post-hardcore
– Dynazty «Firesign» (AFM) – heavy metal/hard rock
– elegiac «Pagan Storm» (De Tenebrarum Principio) – black metal
– Empty «Vacio» (Osmose) – black metal
– Enemy Inside «Phoenix» (Rock of Angels) – thrash
– Entropia «Vacuum» (Arachnophobia) – black/sludge metal
– Evilon «Leviathan» (WormHoleDeath) – death/folk metal
– Evil Scarecrow «Chapter IV: Antartarctica» (Auto-financiado) – black/thrash metal
– Farsot/ColdWorld «Toteninsel» (Prophecy) – black metal
– Hacavitz «Nex Nihil» (Moribund) – black metal
– Hail The Sun «Mental Knife» (Rude) – post-hardcore
– Hangman’s Chair «Banlieue Triste» (Spinefarm) – stoner/doom metal
– Heads For The Dead «Serpent’s Curse» (Transcending Obscurity) – death metal
– Hell In Town «Bones» (Vapocalypse) – groove metal
– Helrunar «Vanitas Vanitatvm» (Prophecy) – black metal
– Horrendous «Idol» (Season of Mist) – death metal progressivo
– Immortal Guardian «Age Of Revolution» (M-Theory) – power metal progressivo
– Lethal Injury «Melancholia» (WormHoleDeath) – thrash
– Malthusian «Across Deaths» (Invictus) – black/death metal
– Morte Incandescente «Somos O Fogo Do Teu Inferno» (War Arts) – black metal
– Necronomicon «Unleashed Bastards» (El Puerto) – thrash
– Noekk «Carol Stones and Elder Rock» (Prophecy) – doom rock
– North Of South «New Latitudes» (Rockshots) – groove metal
– Once Human «Stage Of Evolution» (earMusic) – groove metal
– Onkel Tom «Bier Ernst» (Steamhammer) – thrash
– Pillars «Onward To Nothingness» (Seeing Red) – doom
– Project Silence «Infinity» (Sliptrick) – industrial
– Reinfection «Breeding Hate» (Deformeathing) – death metal/grindcore
– Sacrificial Blood/Traitor «Split 7”» (Horror Pain Gore Death) – thrash/death metal
– Saga «So Good So Far – Live At The Rock Of Ages» (earMusic) – rock progressivo
– Scorched «Ecliptic Butchery» (20 Buck Spin) – death metal
– Stratovarius «Enigma: Intermission 2» (earMusic) – power metal
– Sunflo’er «No Hell» (Salvation) – hardcore experimental
– Terror «Total Retaliation» (Pure Noise) – hardcore
– This Will Destroy You «New Others Part One» (Dark Operative) – post-rock
– Valdrin «Two Carrion Talismans» (Blood Harvest) – black metal
– Vandallus «Bad Disease» (Pure Steel) – heavy metal/hard rock
– Vitja «Mistaken» (Century Media) – groove metal
– Vulcain «Vinyle» (Season of Mist) – heavy metal
– Wang Wen «Invisible City» (PelAgic) – post-rock
– Waxen «Terror Decree» (Moribund) – black metal
– Weapon UK «Rising From The Ashes» (Pure Steel) – NWOBHM
– 偏執症者 «袋小路» (The Sign) – black metal/d-beat

Features

[Reportagem] Sick Of It All + Good Riddance + Blowfuse (21.04.2019, Lisboa)

Publicado há

-

Sick Ot It All (Foto: Solange Bonifácio)

-/-

Sick Of It All + Good Riddance + Blowfuse
21.04.2019 – Lisboa

-/-

O nome Sick Of It All destaca-se por si mesmo, sendo uma das maiores referências no hardcore de Nova Iorque. A banda formada, em 1986, pelos irmãos Lou e Pete Koller, Rich Cipriano e Armand Majidi ajudou a consolidar este estilo musical e a comunidade existente até aos dias de hoje. Deste modo, esperava-se mais uma noite lendária no RCA Club, em Lisboa – uma sala completamente esgotada.

Os Blowfuse são actualmente uma das bandas de punk-rock/hardcore espanholas mais conhecidas e activas e os escolhidos a abrirem as hostilidades desta noite de concertos. Com recentes passagens por Portugal, a banda tentou cativar um público – ainda um pouco tímido – com a sua atitude energética.

Mal os Good Riddance subiram ao palco, o público perdeu rapidamente a inibição e começou de imediato o circle pit. A banda mostrou-se bastante contente devido ao facto de finalmente voltarem a tocar em Portugal após tantos anos de ausência. São muito conhecidos por temas líricos que vão desde análises de críticas à sociedade americana a lutas pessoais, tendo sempre como base um punk-rock rápido e melodias cativantes. Nada disso faltou no concerto que deram, tocando uma setlist bastante diversificada. O baixista Chuck Platt, sempre com discursos divertidos, chegou inclusive a pedir para vestir uma t-shirt com o símbolo anarquista de um dos fãs com a promessa de a devolver no final do concerto. Houve ainda oportunidade para se cantar os parabéns ao baterista Sean Sellers.

Os Sick Of It All estão na sua terceira década de carreira entre tours e gravações, tendo lançado até à data mais de duas mãos cheias de discos sólidos mais outros tantos EPs, isto com quase nenhuma mudança na sua formação. Com o lançamento de “Scratch the Surface”, em 1994, levaram o hardcore nova-iorquino até ao resto do mundo e, desde então, raramente pararam para respirar. A banda é das poucas lendas dentro do hardcore ainda no activo com formação inicial e de modo consistente. Entre sing-alongs, stage divings e um wall of death, os Sick Of It All tocaram com uma frescura tremenda, evocando tempos antigos, e consolidando novamente o facto de serem umas verdadeiras lendas vivas, reverenciadas por diversos motivos. Mais do que isso, são um exemplo de ideais e raízes, das quais futuras gerações podem ter como base e referência. BLOOD, SWEAT AND NO TEARS – o hardcore mantém-se bem vivo.

-/-

Texto e fotos: Solange Bonifácio

Continuar a ler

Features

Possessed: terceiro episódio de “The Creation of Death Metal”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

O novo álbum dos padrinhos do death metal Possessed intitula-se “Revelations Of Oblivion” e será lançado a 10 de Maio pela Nuclear Blast. Os singles “No More Room in Hell” e “Shadowcult” já estão em rotação.

A banda liderada por Jeff Becerra passará por Portugal para duas datas:

Entretanto, já podes ver o terceiro episódio de “The Creation of Death Metal” em que a banda fala sobre as diferenças regionais da sonoridade death metal nos EUA.

 

 

Continuar a ler

Features

Sabaton History Channel, ep. 11: sabotagem da bomba atómica nazi

Diogo Ferreira

Publicado há

-

No novo episódio do Sabaton History Channel, Pär Sundström e Indy Neidell escolhem falar do tema “Saboteurs”, do álbum “Coat Of Arms” (2010), que versa sobre as operações de sabotagem que preveniram a Alemanha nazi de chegar primeiro à concepção da bomba atómica.

Um dos produtos especiais para a criação da arma de destruição massiva é água pesada e a Noruega ocupada pelos nazis continha em si uma fábrica que produzia tal ingrediente. Os Aliados, desesperados por atrasarem o progresso do inimigo, decidiram sabotar o processo. Dessa decisão saiu o plano para uma operação arriscada conduzida por britânicos e noruegueses.

Mais episódios AQUI.

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #21