#ChooseUltraje

Reviews

Asphodelos “The Five Rivers Of Erebos” [Nota: 6.5/10]

João Correia

Publicado há

-

rsz_cover_1511264653549361Editora: Black Sunset / MDD
Data de lançamento: 24 Novembro 2017
Género: death metal melódico

No seu trabalho de estreia, os germânicos Asphodelos apresentam ao mundo a sua versão escolhida de metal extremo: death metal sueco cujas inspirações mais gritantes são Dismember e Entombed cerca de 1993. Como seria de esperar, a banda adiciona toques melódicos a um trabalho extremamente furioso e onde por vezes somos levados a crer que a banda é grega de origem, não pelo nome ou pelos temas tratados, mas pelas semelhanças únicas com o que o metal extremo grego ofereceu ao mundo durante décadas.

“Crowns Are Inherited, Kindoms Are Earned”, a primeira faixa, é um bom cartão de apresentação para o competente quinteto da Turíngia, que mistura o referido som clássico do death metal sueco com nuances de thrash metal e blastbeats, mas que também apresenta os tais toques de metal extremo grego, principalmente ao nível da voz e da bateria, com guturais mais graves do que profundos e andamentos de percussão que por vezes fazem lembrar Nightfall, mesmo que mais lentos. “Carnage”, o tema seguinte, é uma mescla de Dismember e Unleashed com um som contemporâneo, mais técnico e melódico e indubitavelmente um dos melhores trabalhos de todo o registo, sempre com os guitarristas a servirem de bússola aos restantes instrumentistas. Nos temas seguintes (em particular em “Nothingness”, a faixa que encerra o disco), os Asphodelos provam que são bons músicos e exploram a vertente mais técnica da banda com (mais) solos melódicos.

Tudo isto poderia levar a crer que, ao primeiro trabalho, os Asphodelos teriam acertado na fórmula certa para serem dignos de nota. Mas é mais complicado do que apenas isso e há que questionar o porquê. O que levou bandas como os Dismember e os Entombed a figurarem na prateleira intocável do death metal? Certamente que o pioneirismo e um som particular de guitarra ajudaram nesse sentido.  No entanto, os Dismember e os Entombed eram muito menos técnicos do que estes Asphodelos (dos Unleashed, então, nem vale a pena falar). Quererá isso dizer que os Asphodelos se encontram em desvantagem perante esses grupos clássicos? Parece que sim, e as razões são simples: são mais mecânicos do que orgânicos. Ainda que os referidos grupos suecos tivessem tido a vantagem do pioneirismo sobre os Asphodelos, a maior vantagem sobre esta jovem banda é mesmo o factor orgânico, a alma, a intensidade e a naturalidade com que se compõe música.

De forma mais breve, “The Five Rivers Of Erebos” é um trabalho de estreia interessante, acima da média e que dá a crer que os Asphodelos têm um futuro promissor pela frente, conquanto sigam o seu próprio caminho e cresçam enquanto colectivo.

Reviews

Dead Witches “The Final Exorcism”

Publicado há

-

Editora: Heavy Psych Sounds
Data de lançamento: 22 Fevereiro 2019
Género: doom metal

O novo lançamento destes italo-britânicos vem cheio de expectativa após o sucesso do seu álbum de estreia, “Ouija”, lançado em 2017. Um dos traços mais prementes da banda é a pegada musical de Mark Greening, na bateria, que fica cada vez maior de álbum para álbum. O ex-Electric Wizard continua a dar à banda um percurso de doom metal, com uma mistura de rock psicadélico e uma temática de metal quase ‘depressivo e obscuro’ .

Agora, para este “The Final Exorcism”, a banda foi remodelada com a entrada de dois novos membros – Oliver Irongiant e Soozi Chameleone, na guitarra e vocal respectivamente. Enquanto no primeiro álbum a fórmula podia não ser a mais original possível – reproduzindo muito do clássico doom metal depressivo e eléctrico que vem sendo produzido -, em “The Final Exorcism”, o grupo inova um pouco com mais guitarras e uma expressão vocal mais clínica, audível e produzida.

Em termos de produção, este álbum bate o disco de estreia, existindo uma maior preocupação em tornar os instrumentais e a coesão de grupo o mais perceptível possível, o que motiva a mais audições. É um álbum que, rapidamente, capta a atenção do ouvinte com uma intro quase a roçar o sentido de alerta dos ouvintes para os preparar para o que se segue. A faixa homónima traz um pouco da ‘tempestade depressiva e agressiva’ que os Dead Witches nos têm, para já, habituado sem alguma vez comprometerem o caminho iniciado em “Ouija”; a faixa torna-se ainda mais especial devido ao seu último minuto e meio com a inclusão de falas do filme “Exorcista” e uma maior atenção para a guitarra, que se torna bem mais eléctrica. Sendo um disco curto, com apenas 40 minutos de duração, na terceira faixa chegamos rapidamente a meio de “The Final Exorcism”, destacando-se neste tema os trejeitos quase épicos de uma composição puramente eléctrica e com um doom metal mais apurado. A segunda metade do álbum apresenta o melhor da jovem banda – que ainda está meio em work in progress – com três faixas quase épicas, libertando o grupo e o álbum para uma atmosfera mais madura e rica, com letras mais significativas e críticas, com destaque principal para “Fear The Priest”.

Em jeito de conclusão, “The Final Exorcism” é uma evolução face ao álbum de estreia. A banda reformulou a formação e parece que ficou a ganhar com a mudança. O segundo disco é mais maduro, trabalhado e criativo, com a inclusão de um estilo mais eléctrico e com mais foco na guitarra. É um trabalho a ouvir e garantimos que os fãs não vão ficar desapontados.

Nota Final

Continuar a ler

Reviews

Ghost Ship Octavius “Delirium”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Editora: Mighty Music
Data de lançamento: 22 Fevereiro 2019
Género: metal progressivo

Michael H. Andersen, CEO da dinamarquesa Mighty Music, gostou tanto deste álbum dos Ghost Ship Octavius (GSO) que seria impossível deixá-lo viver, e sobreviver, nos ambientes independentes; por isso, e com lançamento original em Setembro de 2018, a editora liderada por Andersen está prestes a redistribuir “Delirium” como ele merece neste mês de Fevereiro.

Fundados em 2012 pelo guitarrista Matthew Wicklund (ex-God Forbid, ex-HIMSA), pelo baterista Van Williams (ex-Nevermore) e pelo vocalista/guitarrista Adōn Fanion, os GSO prometem tornar-se no projecto mais charmoso do prog melódico oriundo dos EUA. Não só melódico, mas também melancólico e emocional – como é exemplo o sofrido refrão de “Chosen” -, este segundo álbum do trio constrói-se através de malhas e ganchos encorpados que, no seu devido tempo e espaço, dão lugar a solos memoráveis e técnicos. Já a bateria é do mais Nevermore imaginável, mas aqui com um toque deveras experimental e explorador, o que se revela no tema-título devido ao método vocal e também pela forma como as guitarras são tocadas. Atmosférico a toda a largura (ouvir a power-ballad “Edge of Time”, em que até é incluído um segmento final semiacústico a fazer lembrar Porcupine Tree), a esperança e uma imagética fantasmagórica andam de mão dada até aos confins de um resultado final que se quer aconchegante mas árctico ao mesmo tempo.

GSO é obviamente indicado para fãs de Nevermore, mas também para uma fase mais recente de Kamelot, sem esquecer influências recebidas de Pain Of Salvation.

Nota Final

Continuar a ler

Reviews

Avantasia “Moonglow”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Editora: Nuclear Blast
Data de lançamento: 15 Fevereiro 2019
Género: power metal sinfónico

Com 41 anos, Tobias Sammet é dos compositores e vocalistas mais respeitados na Alemanha dentro do panorama hard rock e heavy metal. Este caminho iniciou-se em 1992 com os reconhecidos Edguy e ganhou enorme visibilidade quando em 2001 e 2002, como Avantasia, lançou as duas partes da “Metal Opera”, uma história fantástica no encalço de salvação que incluiu dezenas de artistas inigualáveis, como Michael Kiske, Kai Hansen, Timo Tolkki, André Matos, entre muitos outros. O sucesso ditou que o projecto megalómano não iria ficar por aí, seguindo-se mais seis álbuns, em que se inclui a novidade “Moonglow” neste lote. Nesta nova aventura, Sammet chamou a si vozes como Michael Kiske, Jørn Lande, Geoff Tate, Hansi Kürsch, Mille Petrozza ou Candice Night.

Longe vão os tempos dos gloriosos coros, dos debates entre personagens e da velocidade estonteante do power metal magicado por Sammet, mas ao fim de quase 20 anos também é evidente que o alemão pretende desenvolver novas tácticas musicais e manter-se no rumo da evolução natural da indústria. Ainda assim, e caso tenhamos saudades dos dois primeiros discos, há refrãos energéticos e catchy a rodos, solos de guitarra, segmentos complexos de baixo e arranjos orquestrais que se desdobram em introduções/interlúdios electrónicos. Porém, e recuperando uma das observações feitas atrás, o que mais sentimos falta é dos diálogos entre personagens vincadas – hoje em dia, é como se cada convidado tivesse que cantar a sua parte e já está. Não quer isso dizer que o tenham feito por favor e que Avantasia seja a autocracia de Tobias Sammet, mas é uma lacuna que os fãs acérrimos vão notar. Todavia, apontamos a épica “The Raven Child” (com Jørn Lande e Hansi Kürsch) como o pináculo musical de um álbum que bebe do hard rock dos 80s em porções generosas e, claro, de musicais à Broadway.

Quase duas décadas depois, o projecto Avantasia não perdeu a noção de fantasia – e “Moonglow” até consegue oferecer um sentido noctívago e por vezes medieval -, mas sente-se que agora é mais um conjunto de boas músicas do que propriamente uma história corrida que nos faz fugir da realidade ao ponto de conseguirmos mentalmente percorrer estradas, florestas e montanhas à procura de um qualquer artefacto que salvará o mundo de poderes malignos.

Nota Final

 

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #20