#ChooseUltraje

Reviews

Blaze Bayley “The Redemption of William Black (Infinite Entanglement Part III)”

Rui Vieira

Publicado há

-

Editora: Blaze Bayley Recording
Data de lançamento: 26 Outubro 2018
Género: heavy metal

Se alguém pensa que Blaze Bayley é apenas um mero tradicionalista por ter passado pelos Iron Maiden, engana-se. “The Redemption of William Black” é um álbum futurista, em diversos sentidos. Não só pelo “surfista prateado” que aparece na capa, mas pela sua produção, músicas e as pequenas histórias sci-fi aqui contadas – uma tradição do próprio Blaze (para quem esteja com atenção à sua carreira). Acresce a tudo isto o modernismo implícito neste álbum, uma obra da cabeça de Blaze mas coadjuvado – principalmente – pela banda britânica Absolva. Esta cápsula de 47 minutos (certinhos) traz a voz inconfundível do homem que gravou dois álbuns com a Dama de Ferro (bons, diga-se) mas que acabou por voltar ao seu mundo, após desintegrado o projecto Wolfsbane, para ir em socorro dos britânicos. Em 1999, após sair de Maiden, funda Blaze e, em 2007, Blaze decide enveredar por uma carreira em total nome próprio, e este já é o sexto álbum de originais desde então. O subtítulo “Infinite Entanglement Part III” define mais um capítulo de uma trilogia que começou em 2016. Este é o fim da trilogia de Wiliam Black, a personagem que viverá por 1000 anos e que aqui encontra a sua redenção.

Musicalmente, Blaze é muito esclarecido e “objectivo” actualmente. O importante são músicas simples mas grandiosas, melodias semi-orelhudas e um grande sentido épico. Não sei porquê mas sempre que oiço a voz de Blaze sou automaticamente enviado para as montanhas escocesas e para a altura de Sir William Wallace. Deve ser pelo clássico “The Clansman”, música que gravou com Iron Maiden no álbum “Virtual XI” de 1998, estar tão colado ao cérebro. O arranque com “Redeemer”, e o seu refrão incisivo, marca o tom para o andamento de todo o disco com excepção para os momentos acústicos e de mais introspecção. Há logo aqui um piscar de olho a Maiden (ok, é chapado) e às suas harmonias/construção de músicas (até os ‘Oh! Oh! Oh!’). Aliás, este tema de abertura remete um pouco para “Man On The Edge”, single de estreia de Blaze com Maiden em 1995 para o álbum “The X-Factor”. Longe de ser cópia, este trabalho é daqueles que vai crescendo a cada audição. Diria que é uma obra de elite – a espaços também lembrando Accept ou UDO – que se vai apreciando lentamente, qual vinho envelhecido. O álbum é arrojado – tal como a descoberta do busão de Higgs – e moderno q.b.. Há toques de industrial com notas dissonantes (“Immortal One”), melodias acústicas ao lado da fogueira (“Human Eyes”), um groove apuradíssimo (“Already Won”), melodias orelhudas (“Prayers Of Light”) ou uns ressemblances de Helloween (“The Dark Side Of Black”). A produção assemelha-se à do último de Judas Priest, “Firepower”, com tudo no sítio certo.

Blaze Bayley não é Bruce Dickinson, mas isso não importa até porque este senhor de 55 anos em nada fica a dever a qualquer outro vocalista deste mundo, pois tem o seu timbre muito pessoal e facilmente reconhecível, e isso marca muitos pontos. Sempre achei que Blaze tinha uma voz única e muito boa (quando muitos o criticavam) mas a herança e os agudos de Bruce mataram o seu desempenho em Maiden, principalmente ao vivo. Bayley Alexander Cooke é homem de graves e isso lixou-o. Vi-o em Cascais e, tirando algumas excepções, a coisa era um bocadinho feia. Com a saída de Maiden, a sua reputação foi gravemente atingida e teve de fazer o dobro do que fazia. Mas com este álbum, Blaze não procura a redenção mas antes uma sweet revenge, e consegue. “The Redemption of William Black” dá 10-0 ao último de Iron Maiden, “The Book Of Life”!

Nota Final

Reviews

Children Of Bodom “Hexed”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Editora: Nuclear Blast
Data de lançamento: 08 Março 2019
Género: death metal melódico / power metal

Foi em 2003 que os Children Of Bodom atingiram o seu pico de criatividade e popularidade com o espantoso “Hate Crew Deathroll”, ainda que para trás tenham tido três álbuns significativos. Contudo, a partir daí, encontraram a fórmula musical hoje reconhecida e cada disco foi quase como viver do passado e da popularidade sem grande relevância junto da crítica, à excepção talvez de “Halo of Blood” (2013), precisamente 10 anos depois da obra-prima.

Com “Hexed”, a banda de Alexi Laiho tenta recuperar muito do que eventualmente fora perdido. Com uma formação estável, tendo em conta que único membro recente é o guitarrista-ritmo Daniel Freyberg (juntou-se aos COB em 2016), os finlandeses voltam a depender, e bem, do shredding frenético de Alexi Laiho e de muitos floridos oferecidos pelos teclados de Janne Warman em que o death metal melódico de fundo se confunde invariavelmente com o power metal e até algum pop, ainda que escasso, das teclas. Para além de temas todos eles orelhudos, “Hexed” possui também velocidade, como se ouve em “Kick in a Spleen” e no tema-título, este último que se encosta ao neoclássico e em boa medida faz lembrar a sonoridade mais antiga da banda com brutos duelos entre solos de guitarra e teclados em estruturas distintas, sendo, quiçá, a melhor composição do disco. Menção honrosa também para o leading-riff de “Say Never Look Back” que funciona como batuta para toda a faixa.

Historial é meio caminho andado para uma banda sobreviver, mesmo que por vezes caia nalgum esquecimento, mas eventualmente até isso escasseia e deixa um vazio que, com esperança, só um álbum sólido conseguirá reverter tal situação – com “Hexed”, os Children Of Bodom conseguiram precisamente isso.

Nota Final

 

 

 

Continuar a ler

Reviews

Dream Theater “Distance over Time”

João Correia

Publicado há

-

Data de lançamento: 22 Fevereiro 2019
Editora: InsideOut Music
Género: metal progressivo

Após um menos bem conseguido “The Astonishing”, os nova-iorquinos Dream Theater tentam regressar a tempos de maior inspiração com “Distance over Time”. Fruto de um isolamento autoimposto pelos elementos da banda, “Distance over Time” está muito afastado do último trabalho exactamente por se tratar de um disco muito orgânico, mesmo que cuidadosamente calculado. “Untethered Angel” abre de forma bastante positiva um disco que não poderia soar a outra coisa que não Dream Theater: pleno de passagens técnicas, ainda que com um refrão tipicamente power metal, são as batalhas de solos entre teclado e guitarra que pasmam e nos obrigam a fazer rewind, sentindo-se a necessidade de ouvir uma e outra vez o trabalho investido nos solos. Segue-se-lhe “Paralyzed”, um tema mais lento e robusto que nos faz recordar algum do melhor rock alternativo/grunge dos anos 90 sem pestanejar. “Fall Into The Light” vem a seguir e, aqui, são retomadas as batalhas de solos entre o Hammond X5 e a guitarra, bem como uma toada mais pesada e actual – o tipo de tema que nos permite identificar a banda de imediato. Até à faixa final “Viper King”, com a qual a banda se distancia mais do metal e adentra por um bourbon rock tipicamente norte-americano, mas ainda assim repleto de solos de guitarra e teclados, “Distance Over Time” assemelha-se a um trabalho de elite que só os Dream Theater conseguem fazer, algo que se tornou numa assinatura muito própria; logo, inimitável.

O disco foi gravado numa propriedade particular transformada em estúdio de alta gama em Nova Iorque, o que permitiu aos músicos uma concentração e convivência exemplares para poderem regressar à fórmula de outros tempos, tempos em que as notícias de um novo disco de Dream Theater criava grandes expectativas e, chegado esse, não só não as confirmava, como ainda as excedia. À primeira audição, é essa a ideia que “Distance over Time” oferece – algo de majestoso, de regresso a discos como “Images and Words”, mas duas ou três audições depois e o entusiasmo inicial desvanece e começamos a notar um padrão infeliz de previsibilidade, algo que não é suposto vindo de quem vem. Não há dúvida de que os grandes trunfos do disco assentam na utilização inteligente dos teclados e das guitarras, que nos recordam dos tempos épicos do rock progressivo dos anos 70, com toda aquela pompa, circunstância e excesso, com toda aquela excentricidade dos Yes ou dos Genesis. Mas não chega. Não quando estamos a falar da banda que ofereceu ao metal e ao mundo uma visão mais polida e erudita na forma de “When Dream And Day Unite”, “Images and Words”, “Awake” ou “Metropolis, Pt. 2: Scenes From a Memory”.

“Distance over Time” cumpre indubitavelmente com o objectivo de nos fazer esquecer “The  Astonishing”, mas é um disco menor quando se trata da banda em causa. Não sendo um disco de calendário, também não se trata de uma epifania musical, de todo – é metal progressivo de qualidade, com uns poucos piscares de olhos ao rock de diversas décadas. O que, para os Dream Theater, é um tudo-nada abaixo da média. É ágil o suficiente para cativar novos fãs, da mesma forma que convencerá os mais acérrimos, saldando-se num álbum que se ouve bem duas vezes e que depressa nos faz regressar aos verdadeiros clássicos da banda.

Nota Final

 

 

Continuar a ler

Reviews

Dead Witches “The Final Exorcism”

Publicado há

-

Editora: Heavy Psych Sounds
Data de lançamento: 22 Fevereiro 2019
Género: doom metal

O novo lançamento destes italo-britânicos vem cheio de expectativa após o sucesso do seu álbum de estreia, “Ouija”, lançado em 2017. Um dos traços mais prementes da banda é a pegada musical de Mark Greening, na bateria, que fica cada vez maior de álbum para álbum. O ex-Electric Wizard continua a dar à banda um percurso de doom metal, com uma mistura de rock psicadélico e uma temática de metal quase ‘depressivo e obscuro’ .

Agora, para este “The Final Exorcism”, a banda foi remodelada com a entrada de dois novos membros – Oliver Irongiant e Soozi Chameleone, na guitarra e vocal respectivamente. Enquanto no primeiro álbum a fórmula podia não ser a mais original possível – reproduzindo muito do clássico doom metal depressivo e eléctrico que vem sendo produzido -, em “The Final Exorcism”, o grupo inova um pouco com mais guitarras e uma expressão vocal mais clínica, audível e produzida.

Em termos de produção, este álbum bate o disco de estreia, existindo uma maior preocupação em tornar os instrumentais e a coesão de grupo o mais perceptível possível, o que motiva a mais audições. É um álbum que, rapidamente, capta a atenção do ouvinte com uma intro quase a roçar o sentido de alerta dos ouvintes para os preparar para o que se segue. A faixa homónima traz um pouco da ‘tempestade depressiva e agressiva’ que os Dead Witches nos têm, para já, habituado sem alguma vez comprometerem o caminho iniciado em “Ouija”; a faixa torna-se ainda mais especial devido ao seu último minuto e meio com a inclusão de falas do filme “Exorcista” e uma maior atenção para a guitarra, que se torna bem mais eléctrica. Sendo um disco curto, com apenas 40 minutos de duração, na terceira faixa chegamos rapidamente a meio de “The Final Exorcism”, destacando-se neste tema os trejeitos quase épicos de uma composição puramente eléctrica e com um doom metal mais apurado. A segunda metade do álbum apresenta o melhor da jovem banda – que ainda está meio em work in progress – com três faixas quase épicas, libertando o grupo e o álbum para uma atmosfera mais madura e rica, com letras mais significativas e críticas, com destaque principal para “Fear The Priest”.

Em jeito de conclusão, “The Final Exorcism” é uma evolução face ao álbum de estreia. A banda reformulou a formação e parece que ficou a ganhar com a mudança. O segundo disco é mais maduro, trabalhado e criativo, com a inclusão de um estilo mais eléctrico e com mais foco na guitarra. É um trabalho a ouvir e garantimos que os fãs não vão ficar desapontados.

Nota Final

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #20