Currents “The Place I Feel Safest” [Nota: 7/10] | Ultraje – Metal & Rock Online
Reviews

Currents “The Place I Feel Safest” [Nota: 7/10]

Currents-The-Place-I-Feel-Safest-Album-Artwork-2017Editora: SharpTone Records
Data de lançamento: 16 Junho 2017
Género: metalcore

O isto ser um disco de metalcore é capaz de afastar logo mais de meia dúzia de potenciais curiosos, especialmente todos os que ainda se lembram daqueles anos no início do milénio em que este estilo transbordava pelas bordas do prato e levava-se com demasiadas bandas novas que misturavam uns acordes muito simplistas de guitarra, gritaria nos versos e refrões com uma voz tão limpa e suave que parecia que se tinha começado a ouvir uma boys band de um momento para o outro. E o pior era que estas bandas eram quase todas idênticas umas às outras. Claro que existem excepções à regra, como os Killswitch Engage ou os Korn, que sempre conseguiram modelar este som de forma a soar interessante, mas poderemos dizer o mesmo deste “The Place I Feel Safest” ou estaremos perante uma triste viagem aos tempos em que havia metalcore a mais?

Com um registo rápido e com mais agressividade do que momentos suaves, os Currents querem mostrar que, acima de tudo, têm qualidade. Enquanto temas como “Delusion” reflectem o metalcore que já se conhece de trás para a frente e da frente para trás, outros há como “Night Terrors” ou “Forget Me” que trazem em si uma brisa a um estilo ainda sufocado da overdose que se viu na década passada. Essa brisa vem na diversidade dos temas, no alcance vocal – e nem se vai mencionar a expectável parte melódica, sem ser que não surge tão previsivelmente quanto seria num álbum destes; mas sim a dinâmica da voz berrada que alterna entre trejeitos mais próximos do hardcore e não cai no problema, que se ouviu em muitas propostas, de ser monocórdica. Mais outro bom destaque para o disco é a diversidade de riffs numa canção, algo que é obrigatório para muitos géneros de metal, mas no metalcore sempre foi algo bastante estático. Claro que não se está a falar em virtuosismos de guitarra que podiam colocar as etiquetas “técnico” ou “progressivo” associadas a este “The Place I Feel Safest”, mas ainda assim os acordes de guitarra são bem explorados e criam uma rítmica vibrante e multifacetada, adicionando mais uma surpresa refrescante, tendo em conta o habitual do estilo.

Ao fim de se ouvir o disco, chega-se à conclusão que os Currents gostam do que fazem e primam pela qualidade. Não é um “ganda disco” nem a revitalização do metalcore, mas é um disco normal que se ouve muito bem e que apresenta uma banda que sabe fazer boa música.

 

7/10
Topo