Entrails “World Inferno” [Nota: 7/10] | Ultraje – Metal & Rock Online
Reviews

Entrails “World Inferno” [Nota: 7/10]

Entrails-WorldInfernoEditora: Metal Blade Records
Data de lançamento: 16 Junho 2017
Género: death metal

A história dos suecos Entrails é invulgarmente interessante. Depois de quase uma década de actividade no underground nos anos 90, a banda atirou a toalha ao chão em 1998 para ser ressuscitada pelo guitarrista Jimmy Lundqvist uma década depois, com uma formação renovada. Desde aí o grupo, que não havia editado nada até então, lançou duas maquetas, dois splits, quatro álbuns de originais e uma compilação. Um frenesim editorial numa segunda vida que deu ao death metal sueco old school uma série de bons momentos. “World Inferno” chega numa altura em que o entusiasmo pelo género parece conhecer uma desaceleração, mas nem por isso os Entrails deixam de fazer a sua “cena” com a densidade e sobriedade que lhes é reconhecida.

Ao longo de uma dezena de temas, o quarteto não se propõe salvar – ou reinventar – a estética do death metal de bandas como os Grave e Dismember mas, em contrapartida, quem não consegue resistir a doses maciças de riffs tocados com aquela distorção, com a cavalgada punk dos Nihilist e com as letras mórbidas do imaginário colectivo do género, tem em “World Inferno” mais uma boa viagem. “The Soul Collector” e o tema-título são dois excelentes exemplos de como podem os Entrails chafurdar na mesma poça de lama que tantas outras bandas e ainda encontrar barro suficiente para fazer um disco apaixonado, assertivo e quase perfeito na linguagem death metal sueco.

De alguma forma, a receita é tão redonda, feita de regras tão específicas e rígidas que “World Inferno” passa a segunda parte a repetir-se, mas esse não é um problema de agora dos Entrails e nem exclusivo da banda oriunda de Lynnerid. É também esse o motivo pelo qual os splits nos parecem sempre um pouco melhores do que os álbuns no universo dos Entrails. Mas, se virmos bem, é um problema de doseamento e não de conteúdo. Porque, nesta espécie de death metal sueco old school de Liga Europa, dificilmente encontramos banda mais coerente e disco mais certinho e energético do que “World Inferno”.

7/10
Topo