FAQ | Ultraje – Metal & Rock Online

FAQ

Perguntas Frequentes

A presença online da Ultraje teve início em Junho de 2015, tendo chegado ao formato físico durante o mês de Setembro do mesmo ano. Este espaço serve para dar resposta a algumas das perguntas mais frequentes que nos fazem chegar.

Não encontro a revista nas bancas. Onde a posso comprar?

Neste momento a Ultraje só pode ser adquirida online, através do endereço http://www.ultraje.pt/shop. Isto deve-se ao facto das pré-encomendas da revista serem fulcrais para garantir a continuação da revista e para termos uma ideia de quantas unidades precisamos de produzir para satisfazer a procura. Ocasionalmente, a revista poderá ser comprada através de parceiros que serão devidamente anunciados.

Porque é que a Ultraje não está nas bancas?

A Ultraje é financiada pelos três membros da direcção, não havendo alguma entidade com bolsos largos que nos permita fazer mais do que aquilo que conseguimos actualmente. O que fazemos depois é procurar recuperar o nosso investimento através das vendas e do apoio dos nossos anunciantes. Uma vez que é necessária uma grande quantia monetária para colocar a revista a circular, quantia essa que é paga de avanço por nós, é-nos difícil conseguir uma tiragem que atinja números satisfatórios não só para justificar a distribuição, como também para conseguirmos obter uma margem confortável na nossa percentagem de vendas, para que não se perca muito dinheiro com este processo. Como devem entender, a partir do momento em que existe distribuição, a quantia resultante do preço de capa passa a ser dividida entre três entidades diferentes: a Ultraje, o comerciante e a distribuidora. Chegaremos às bancas quando o conseguirmos fazer de forma a não comprometer o futuro da revista. Estar nas bancas só para dizer que estamos lá não faz o nosso feitio.

E porque não a colocam à venda na loja X?

No início essa hipótese foi considerada, no entanto optámos por não o fazer por diversos motivos. Um deles é o facto deste sistema não nos oferecer o tipo de organização de que necessitamos. Ao colocar as revistas à venda em vários pontos do país, seria impossível controlar o stock e as vendas, e com tantos movimentos de dinheiro resultantes dos portes de envio (enviar para as lojas e receber de volta as unidades que não foram vendidas), este processo não só teria pouco rigor como tornar-se-ia muito dispendioso. Para além disso, através da experiência que obtivemos ao fazer isto mesmo na nossa editora para outro tipo de produtos, percebemos que uns vão ser mais honestos que outros, pelo que se decidirmos recorrer a esse método, apenas o faremos com parceiros que tenham a nossa confiança.

O que diferencia a Ultraje da Loud! e como esperam competir com essa revista?

Como foi dito desde o início, a Ultraje não foi criada para fazer concorrência a nada nem a ninguém. O único tipo de concorrência que poderá existir é nas bancas (se lá chegarmos) e não será mais do que uma concorrência visual, uma vez que a Ultraje irá “competir” directamente com todos os outros títulos expostos. O que a Ultraje propõe é uma alternativa no tipo de conteúdos apresentados, onde para além de falarmos das mesmas bandas, abordaremos mais nomes ligados ao underground que dificilmente encontrarão em outras revistas especializadas. Quer gostem quer não, a existência de revistas em formato físico no nosso país é de extrema importância não só para os fãs deste género musical, como para as bandas que constituem a nossa cena musical, as promotoras que trazem os vossos artistas favoritos ao nosso país, e para o crescimento do mercado em si. Se houver procura, haverá investimento. Estar “orgulhosamente sós” não é assim tão motivo de orgulho quanto isso.

A revista sai apenas de dois em dois meses. Quando é que irão passar a ter uma periodicidade mensal?

Actualmente, a questão financeira é o único entrave para que a Ultraje não seja uma revista mensal. Para tal acontecer, seria necessário haver muito mais procura do que aquela que se tem verificado e teríamos o dobro da dificuldade em conseguir encontrar anunciantes suficientes para a revista ou bandas para encher as nossas compilações. No entanto, e visto que estamos apenas no início, estamos a trabalhar para que tal se torne uma realidade brevemente.

Achei a revista muito pequena. Porque é que não tem mais conteúdos?

A edição #0 teve apenas 28 páginas, enquanto que a #1 contou com um aumento de 8 páginas em relação à edição anterior, perfazendo assim um total de 36 páginas. Actualmente as edições periódicas da Ultraje contam com 40 páginas. Este é o número mínimo que queremos manter para as edições seguintes, no entanto temos dificuldade em igualar as habituais 60-80 páginas de outras revistas do género não por falta de conteúdos mas sim porque não temos as condições financeiras necessárias para o fazer. A Ultraje crescerá consoante as pré-vendas, que são muito importantes para nós nesta fase.

Quem está à frente da Ultraje?

A Ultraje foi criada por Cátia Cunha, Diogo Ferreira e Joel Costa, depois de os mesmos terem decidido colocar um fim na Against Magazine para que pudessem dar início a um novo website redigido em Português. Os três membros fundadores já escreveram para outros meios, tais como: Terrorizer (Reino Unido), This Is Metal (Espanha), Against Magazine, Destructive Music (Reino Unido), Infektion Magazine, Metal Imperium, Riff e Versus Magazine. Alguns dos nossos colaboradores escreveram ainda para outros meios como a Loud!, Zero Tolerance (Reino Unido), Misantropia Extrema, entre muitos outros.

Afinal a Ultraje é um website ou uma revista?

A Ultraje começou por ser um portal online. Dois meses após termos iniciado a nossa actividade, deu-se a oportunidade de passarmos ao formato físico, algo que se concretizou no mês seguinte com o lançamento da nossa edição #0. Neste momento a Ultraje vê no formato físico a sua prioridade sem nunca descurar a nossa presença online.

Esta página estará em constante actualização.

 

 

Topo