#ChooseUltraje

Reviews

Fractal Universe “Engram Of Decline” [Nota: 7/10]

João Correia

Publicado há

-

fadce292-d670-449e-ace0-3704c252391aEditora: Kolony Records
Data de lançamento: 14 Abril 2017
Género: death metal técnico/progressivo

Qualquer banda oriunda de um país responsável por lançar alguns dos melhores trabalhos de sempre de metal técnico/progressivo extremo tem muito que batalhar para elevar a fasquia do que já foi feito até agora. Provenientes de França, estes Fractal Universe sabem melhor que ninguém o difícil que é praticar um estilo de elite e com tantos conterrâneos já com provas dadas: Misanthrope, Gojira, Gorod, Massacra, Suppuration… Sim, elevar certas fasquias é muito complicado. “Engram of Decline”, primeiro álbum da banda, é uma megalomania geral – como se não bastasse o género praticado, que está ao alcance de apenas uns poucos, este trabalho conceptual baseia-se na seminal obra “Also Sprach Zarathustra”, de Nietzsche, o que é louvável pelo arrojo e coragem. “Backworldsmen”, um dos conceitos de Nietzsche, é também título de uma das faixas, que apenas confirmam os delírios de grandiosidade a que a banda se propõe quando ouvimos declamações da obra em alemão acompanhadas pelo saxofone de Jørgen Munkeby, dos Shining (noruegueses). Sim, a ousadia e a mestria técnica assistem muito bem os Fractal Universe. “Mas…?” – perguntam vocês. Mas… Não chega, lamento. Em 2017, uma banda de metal extremo progressivo não pode contar apenas com mestria, não chega apenas ser virtuoso, há que possuir também uma dose inata de genialidade e é aqui que, geralmente, tudo se complica. Deixem-me simplificar: só os Misanthrope poderiam ter criado trabalhos como “Courtisane Syphillitique”. Só os Gorod poderiam ter criado trabalhos como “Disavow Your God”. Chama-se a isto “cunho”, aquele pormenor que nos faz perceber que estamos perante um trabalho realmente especial. Ainda falta esse cunho aos Fractal Universe, e é compreensível: estamos a falar de uma banda em início de carreira. Há rasgos de genialidade em “Engram of Decline”? Com certeza que sim – aponto, entre outros temas, para “Narcissistic Loop”, que quando a ouvi pensei “OK, é ISTO que quero ouvir!”. Assim, são tecnicamente competentes? Sim, bem mais que competentes e não têm mais olhos que barriga, sabem perfeitamente a que se propõem e não desiludem em termos de mestria musical. Mais: têm partes rítmicas/groove que certas bandas perdem com demasiada técnica em detrimento daquela emoção que é essencial para o tal factor especial. Assim, não desiludirá fãs de Necrophagist, Beyond Creation, The Faceless ou Obscura, entre muitos outros, mas eu já ouvi todas essas bandas. Agora quero ouvir os Fractal Universe. Quando ganharem o tal cunho que indiquei serão maiores que a vida. Até lá, têm aqui um bom álbum em mãos, mas pouco mais.

 

Reviews

Dream Theater “Distance over Time”

João Correia

Publicado há

-

Data de lançamento: 22 Fevereiro 2019
Editora: InsideOut Music
Género: metal progressivo

Após um menos bem conseguido “The Astonishing”, os nova-iorquinos Dream Theater tentam regressar a tempos de maior inspiração com “Distance over Time”. Fruto de um isolamento autoimposto pelos elementos da banda, “Distance over Time” está muito afastado do último trabalho exactamente por se tratar de um disco muito orgânico, mesmo que cuidadosamente calculado. “Untethered Angel” abre de forma bastante positiva um disco que não poderia soar a outra coisa que não Dream Theater: pleno de passagens técnicas, ainda que com um refrão tipicamente power metal, são as batalhas de solos entre teclado e guitarra que pasmam e nos obrigam a fazer rewind, sentindo-se a necessidade de ouvir uma e outra vez o trabalho investido nos solos. Segue-se-lhe “Paralyzed”, um tema mais lento e robusto que nos faz recordar algum do melhor rock alternativo/grunge dos anos 90 sem pestanejar. “Fall Into The Light” vem a seguir e, aqui, são retomadas as batalhas de solos entre o Hammond X5 e a guitarra, bem como uma toada mais pesada e actual – o tipo de tema que nos permite identificar a banda de imediato. Até à faixa final “Viper King”, com a qual a banda se distancia mais do metal e adentra por um bourbon rock tipicamente norte-americano, mas ainda assim repleto de solos de guitarra e teclados, “Distance Over Time” assemelha-se a um trabalho de elite que só os Dream Theater conseguem fazer, algo que se tornou numa assinatura muito própria; logo, inimitável.

O disco foi gravado numa propriedade particular transformada em estúdio de alta gama em Nova Iorque, o que permitiu aos músicos uma concentração e convivência exemplares para poderem regressar à fórmula de outros tempos, tempos em que as notícias de um novo disco de Dream Theater criava grandes expectativas e, chegado esse, não só não as confirmava, como ainda as excedia. À primeira audição, é essa a ideia que “Distance over Time” oferece – algo de majestoso, de regresso a discos como “Images and Words”, mas duas ou três audições depois e o entusiasmo inicial desvanece e começamos a notar um padrão infeliz de previsibilidade, algo que não é suposto vindo de quem vem. Não há dúvida de que os grandes trunfos do disco assentam na utilização inteligente dos teclados e das guitarras, que nos recordam dos tempos épicos do rock progressivo dos anos 70, com toda aquela pompa, circunstância e excesso, com toda aquela excentricidade dos Yes ou dos Genesis. Mas não chega. Não quando estamos a falar da banda que ofereceu ao metal e ao mundo uma visão mais polida e erudita na forma de “When Dream And Day Unite”, “Images and Words”, “Awake” ou “Metropolis, Pt. 2: Scenes From a Memory”.

“Distance over Time” cumpre indubitavelmente com o objectivo de nos fazer esquecer “The  Astonishing”, mas é um disco menor quando se trata da banda em causa. Não sendo um disco de calendário, também não se trata de uma epifania musical, de todo – é metal progressivo de qualidade, com uns poucos piscares de olhos ao rock de diversas décadas. O que, para os Dream Theater, é um tudo-nada abaixo da média. É ágil o suficiente para cativar novos fãs, da mesma forma que convencerá os mais acérrimos, saldando-se num álbum que se ouve bem duas vezes e que depressa nos faz regressar aos verdadeiros clássicos da banda.

Nota Final

 

 

Continuar a ler

Reviews

Dead Witches “The Final Exorcism”

Publicado há

-

Editora: Heavy Psych Sounds
Data de lançamento: 22 Fevereiro 2019
Género: doom metal

O novo lançamento destes italo-britânicos vem cheio de expectativa após o sucesso do seu álbum de estreia, “Ouija”, lançado em 2017. Um dos traços mais prementes da banda é a pegada musical de Mark Greening, na bateria, que fica cada vez maior de álbum para álbum. O ex-Electric Wizard continua a dar à banda um percurso de doom metal, com uma mistura de rock psicadélico e uma temática de metal quase ‘depressivo e obscuro’ .

Agora, para este “The Final Exorcism”, a banda foi remodelada com a entrada de dois novos membros – Oliver Irongiant e Soozi Chameleone, na guitarra e vocal respectivamente. Enquanto no primeiro álbum a fórmula podia não ser a mais original possível – reproduzindo muito do clássico doom metal depressivo e eléctrico que vem sendo produzido -, em “The Final Exorcism”, o grupo inova um pouco com mais guitarras e uma expressão vocal mais clínica, audível e produzida.

Em termos de produção, este álbum bate o disco de estreia, existindo uma maior preocupação em tornar os instrumentais e a coesão de grupo o mais perceptível possível, o que motiva a mais audições. É um álbum que, rapidamente, capta a atenção do ouvinte com uma intro quase a roçar o sentido de alerta dos ouvintes para os preparar para o que se segue. A faixa homónima traz um pouco da ‘tempestade depressiva e agressiva’ que os Dead Witches nos têm, para já, habituado sem alguma vez comprometerem o caminho iniciado em “Ouija”; a faixa torna-se ainda mais especial devido ao seu último minuto e meio com a inclusão de falas do filme “Exorcista” e uma maior atenção para a guitarra, que se torna bem mais eléctrica. Sendo um disco curto, com apenas 40 minutos de duração, na terceira faixa chegamos rapidamente a meio de “The Final Exorcism”, destacando-se neste tema os trejeitos quase épicos de uma composição puramente eléctrica e com um doom metal mais apurado. A segunda metade do álbum apresenta o melhor da jovem banda – que ainda está meio em work in progress – com três faixas quase épicas, libertando o grupo e o álbum para uma atmosfera mais madura e rica, com letras mais significativas e críticas, com destaque principal para “Fear The Priest”.

Em jeito de conclusão, “The Final Exorcism” é uma evolução face ao álbum de estreia. A banda reformulou a formação e parece que ficou a ganhar com a mudança. O segundo disco é mais maduro, trabalhado e criativo, com a inclusão de um estilo mais eléctrico e com mais foco na guitarra. É um trabalho a ouvir e garantimos que os fãs não vão ficar desapontados.

Nota Final

Continuar a ler

Reviews

Ghost Ship Octavius “Delirium”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Editora: Mighty Music
Data de lançamento: 22 Fevereiro 2019
Género: metal progressivo

Michael H. Andersen, CEO da dinamarquesa Mighty Music, gostou tanto deste álbum dos Ghost Ship Octavius (GSO) que seria impossível deixá-lo viver, e sobreviver, nos ambientes independentes; por isso, e com lançamento original em Setembro de 2018, a editora liderada por Andersen está prestes a redistribuir “Delirium” como ele merece neste mês de Fevereiro.

Fundados em 2012 pelo guitarrista Matthew Wicklund (ex-God Forbid, ex-HIMSA), pelo baterista Van Williams (ex-Nevermore) e pelo vocalista/guitarrista Adōn Fanion, os GSO prometem tornar-se no projecto mais charmoso do prog melódico oriundo dos EUA. Não só melódico, mas também melancólico e emocional – como é exemplo o sofrido refrão de “Chosen” -, este segundo álbum do trio constrói-se através de malhas e ganchos encorpados que, no seu devido tempo e espaço, dão lugar a solos memoráveis e técnicos. Já a bateria é do mais Nevermore imaginável, mas aqui com um toque deveras experimental e explorador, o que se revela no tema-título devido ao método vocal e também pela forma como as guitarras são tocadas. Atmosférico a toda a largura (ouvir a power-ballad “Edge of Time”, em que até é incluído um segmento final semiacústico a fazer lembrar Porcupine Tree), a esperança e uma imagética fantasmagórica andam de mão dada até aos confins de um resultado final que se quer aconchegante mas árctico ao mesmo tempo.

GSO é obviamente indicado para fãs de Nevermore, mas também para uma fase mais recente de Kamelot, sem esquecer influências recebidas de Pain Of Salvation.

Nota Final

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #20