Israthoum “Channeling Death and Devil” [Nota: 8/10] – Ultraje – Metal & Rock Online
Reviews

Israthoum “Channeling Death and Devil” [Nota: 8/10]

Editora: Altare Productions
Data de lançamento: 2017
Género: black metal

Já se apresentaram como Grendel e Geryous na década de 1990, até que se focaram e cresceram como Israthoum a partir de 1998. Por volta desse momento tomaram outra decisão importante: a emigração para a Holanda, deixando assim Portugal. Seguiram-se demos, EPs, splits e três álbuns, sendo o mais recente “Channeling Death and Devil”, datado de 2017.

O primeiro “Monument of Brimstone”, de 2008, é um marco na discografia da banda, mas é com este terceiro que pretendem dar todas as cartas que têm para dar, de modo a prosseguir-se a busca por um black metal de assinatura que, mesmo fora de portas, continua a ter sangue luso. Ao longo de quase 50 minutos, o grupo elabora nove faixas que bebem de tudo um pouco no que ao estilo diz respeito. “Channeling Death and Devil” é obviamente negro, e o próprio título canaliza tal condição, mas não estamos perante um álbum de simples e mero black metal. Aqui, os Israthoum devotam-se a explorar não só conceitos pesados, densos e velozes, mas também incursões ritualísticas – tanto na voz como nos arranjos instrumentais orgânicos – e melódicas com leads de guitarra inebriantes e atmosféricos, como é o caso da muito boa faixa “Well of Bitterness” ou da penúltima “Acquiescas Fata”, em que, nas duas, casam a melodia orelhuda com um sentido de descendência ao abismo sem nunca soar a depressivo.

Há, assim, nesta recente proposta discográfica um sentido sonoro lacerante e penitente que nos conduz por labirintos explorativos que teimam em conduzir-nos a uma percepção própria do poder da escuridão – algo que os Israthoum são bons a fazer.

8/10
Topo