#ChooseUltraje

Features

“Lords Of Chaos”: trailer + reacções de Varg Vikernes, Fenriz e Attila Csihar

Diogo Ferreira

Publicado há

-

«O livro foi uma porcaria, mas será o filme melhor?» Esta é a pergunta que Varg Vikernes (Burzum) faz no início de um dos seus vídeos sobre “Lords Of Chaos”, filme que estreará brevemente em que é relatada, segundo aquilo que Didrik Soderlind e Michael Moynihan escreveram em 1998, a cena black metal norueguesa que ficou conhecida pela música extrema, suicídios, homicídios e igrejas incendiadas. Mais à frente, Vikernes alega ainda que nenhum interveniente real foi contactado de modo a providenciar mais realidade à película e que Mayhem, Darkthrone e ele próprio não permitiram que as suas músicas fossem utilizadas.

Com sentido de humor exuberante, como é seu apanágio, Fenriz (Darkthrone) chegou a mesmo a dizer que “Lords Of Chaos” é «a pior ideia desde pão por fatiar» e que gostava de ter Reese Witherspoon a interpretá-lo.

Em declarações à Ultraje, aquando do lançamento do #11 (Agosto, 2017), Attila Csihar (actual vocalista dos Mayhem e que deu voz a “De Mysteriis Dom Sathanas” de 1994) oferece a sua perspectiva: «Não fiquei satisfeito com o livro quando saiu. Agora vem este filme e… já andam há anos a falar nessa merda e pensávamos muito a sério que nunca iria estrear. Entretanto, enviaram-nos um guião que eu nem li na altura, mas os outros membros disseram que era uma palhaçada [risos] e, depois disso, começámos a afastar-nos do filme. Quero dizer, nem sequer nos perguntaram por uma opinião… É verdade que somos um pouco fodidos da cabeça, mas nem sequer nos perguntaram fosse o que fosse e achamos que isso foi errado. Depois de saber que o realizador seria o Jonas [Åkerlund, primeiro baterista de Bathory], pensei que até poderia ser uma mais-valia, que poderia ser interessante. (…) Bem, gosto de ser optimista quando posso; quer se goste ou não, as pessoas têm o direito de fazer um filme sobre o passado se assim entenderem. No entanto, e esta é a parte mais sensível da questão, ainda estamos no activo! Se o filme nos fizer parecer como uma cambada de palhaços, isso não será positivo! Repara: morreram pessoas, não foram apenas uns desacatos na escola, entendes? Depois há a insensibilidade das pessoas – perdemos amigos, é muito complexo. Mesmo com a imprensa na Noruega, foi um circo. Isto não é um jogo! Ainda somos uma banda. Se já tivéssemos acabado seria diferente, mas isto pode afectar a banda! Os nossos fãs poderão gostar, mas também poderão não gostar.»

Realizado por Jonas Åkerlund, “Lords Of Chaos” tem estreia prevista para 29 de Março (Reino Unido) e no elenco surgem actores como Rory Culkin para interpretar Euronymous, Emory Cohen para ser Varg Vikernes ou Jack Kilmer para dar vida a Dead.

Features

Possessed: terceiro episódio de “The Creation of Death Metal”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

O novo álbum dos padrinhos do death metal Possessed intitula-se “Revelations Of Oblivion” e será lançado a 10 de Maio pela Nuclear Blast. Os singles “No More Room in Hell” e “Shadowcult” já estão em rotação.

A banda liderada por Jeff Becerra passará por Portugal para duas datas:

Entretanto, já podes ver o terceiro episódio de “The Creation of Death Metal” em que a banda fala sobre as diferenças regionais da sonoridade death metal nos EUA.

 

 

Continuar a ler

Features

Sabaton History Channel, ep. 11: sabotagem da bomba atómica nazi

Diogo Ferreira

Publicado há

-

No novo episódio do Sabaton History Channel, Pär Sundström e Indy Neidell escolhem falar do tema “Saboteurs”, do álbum “Coat Of Arms” (2010), que versa sobre as operações de sabotagem que preveniram a Alemanha nazi de chegar primeiro à concepção da bomba atómica.

Um dos produtos especiais para a criação da arma de destruição massiva é água pesada e a Noruega ocupada pelos nazis continha em si uma fábrica que produzia tal ingrediente. Os Aliados, desesperados por atrasarem o progresso do inimigo, decidiram sabotar o processo. Dessa decisão saiu o plano para uma operação arriscada conduzida por britânicos e noruegueses.

Mais episódios AQUI.

Continuar a ler

Features

[Reportagem] Virtuosos da Guitarra: Paul Gilbert (12.04.2019, Coimbra)

João Correia

Publicado há

-

Paul Gilbert (Foto: João Correia)

-/-

Paul Gilbert
12.04.2019 – Coimbra

-/-

O que é que nomes como Queen, Kiss, Aerosmith, Black Sabbath, Iron Maiden, Yes, Deep Purple, Led Zeppelin, Billy Joel, Judas Priest, Yngwie Malmsteen, Ronnie James Dio, os blues, o jazz, o funk e tantos outros mais artistas e estilos musicais aparentemente distantes têm que ver uns com os outros? Todos se interceptam no mesmo ponto – foram influências que forjaram o mestre da guitarra Paul Gilbert, um virtuoso reconhecido mundialmente e que fez parte de bandas como Racer X ou Mr. Big, tendo colaborado com artistas tão distintos como Mike Portnoy (Dream Theater), Sean Malone (Cynic), Joe Satriani, Jeff Scott Soto, Matt Sorum (Guns ‘n Roses), etc., etc., etc., e que se apresentou em Coimbra para revelar alguns dos seus segredos. As expectativas não desiludiram, com uma casa pouco abaixo de esgotada para uma prestação à qual compareceram (maioritariamente) bastantes guitarristas que seguem o mestre há tantos e tantos anos.

Gilbert fez-se acompanhar no baixo por Miguel Falcão (M’as Foice, Mortuary) e na bateria por Sérgio Marques, professor de música, todos três músicos profissionais de longa data. Cerca das 21:30, o trio subiu ao palco perante uma recepção efusiva por parte do público. Quem lá estava sabia para o que ia e com o que esperar. Ao longo da actuação, Gilbert explicou conceitos mais ou menos complexos como arpeggios e escalas pentatónicas, do heavy metal ao jazz, referindo exemplos tão famosos quanto “Stranger In A Strange Land” de Iron Maiden, e tocando outros exemplos como “Still I’m Sad” de Dio, “Love Me Do” dos The Beatles ou “Owner Of A Lonely Heart” dos Yes, exemplos esses em que fundia técnica e bastante humor (e até analogias simples) de molde a educar, entreter e passar uma noite divertida entre discípulos na plateia e colegas no palco. Colegas esses que Gilbert congratulou por diversas vezes e que, embora sem falhas (exceptuando um falso arranque), pareciam inicialmente algo tensos e desconfortáveis, o que os levou a prestar bastante atenção ao guitarrista, mas rapidamente entraram no estado de espírito: tocaram, divertiram-se e por várias vezes impressionaram a audiência com a sinergia que conseguiram em palco.

Num auditório em que a qualidade acústica foi um dos grandes momentos da noite, houve ainda lugar para o sorteio de uma guitarra eléctrica atribuída a um felizardo do público, sempre com um ambiente bastante informal e descontraído. O espaço recebeu ainda vários comerciantes e suas bancas, onde se podiam adquirir discos de vinil, CD, cordas, cabeças de microfone, baquetas e demais equipamento musical. Da autoria de Marco Matos, o projecto Virtuosos da Guitarra dinamiza há duas edições a parte mais técnica da guitarra em Coimbra para a comunidade de músicos e até público em geral, colmatando assim uma ausência que há muito fazia falta na cidade. Venha lá essa terceira edição!

-/-

Texto e fotos: João Correia

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #21