#ChooseUltraje

Reviews

Pänzer “The Fatal Command” [Nota: 5.5/10]

João Correia

Publicado há

-

262450_P__nzer___Fatal_CommandEditora: Nuclear Blast
Data de lançamento: 06 Outubro 2017
Género: thrash metal

Quais são os factores essenciais para a criação de um bom álbum? Trata-se de um tema de debate com décadas e que, ainda hoje, não encontra um consenso geral. No entanto, não será descabido propor que o ingrediente fundamental para conseguir um álbum desse calibre seja “alma”. Pensemos em álbuns como “Bathory”, “Master of Puppets”, “Please, Please Me” ou “Never Mind the Bollocks, Here’s the Sex Pistols”. Nenhum destes álbuns tem instrumentistas exímios por trás. Nenhum deles foi lançado com a pretensão de se tornar um álbum relevante, quanto mais intemporal. Contudo, quatro álbuns fundamentais dentro dos seus géneros conseguem ter o mesmo ponto em comum: muita “alma”. E “alma” em grande dosagem é precisamente o que parece faltar a “The Fatal Command”, o segundo álbum dos Pänzer. Liderada por Schmier (Destruction), a banda executa um híbrido clássico de thrash germânico/heavy-metal que faz lembrar Judas Priest, Accept ou Destruction (por motivos óbvios). O disco desenrola-se lentamente, mais do que é recomendável, e não é por falta de temas rápidos, antes pela sensação de sonolência que consegue transmitir. Mesmo as letras parecem fazer jus aos anos 80: simples de mais, a roçar o adolescente que quer formar a sua primeira banda. Ouvir o álbum cinco vezes não ajuda, já que ele não cresce. No final, a sensação que um ouvinte mais exigente terá será de quase indiferença, exactamente porque não apresenta nada de novo – trata-se de thrash metal desinspirado, ainda que bem tocado e cuja tábua de salvação reside nos solos do mago da guitarra que é Pontus Norgren, também integrante dos Hammerfall. Mas isto não chega, não hoje em dia. Se os Vektor fizeram virar todas as cabeças na sua direcção em 2016, isso deveu-se ao facto de “Terminal Redux” ser um manancial interminável dos ingredientes certos: bons músicos, inspiração, inovação e vontade de quebrar barreiras. “The Fatal Command” fica-se apenas pelos bons músicos. Irá certamente agradar a qualquer thrasher convicto. Os mais exigentes esperarão pelo próximo álbum de originais dos Destruction.

 

Reviews

Eneferens “The Bleakness of Our Constant”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Editora: Bindrune Recordings / Nordvis
Data de lançamento: 26 Outubro 2018
Género: post black metal

Imagina um espírito solitário que decidiu viajar pelo globo à procura de respostas para os mistérios do mundo natural e da condição humana. Endurecido por essa batalha e espiritualmente enriquecido, o eremita regressa com muitas questões respondidas. Algumas ainda não estão claras no seu cérebro e outras não estão aptas a serem transmitidas por palavras, mas, irredutível, o viajante decide espalhar a sua mensagem através de música, já que as respostas são demasiado etéreas para meras palavras.

E é assim, muito à volta deste conceito, que Eneferens chega a um terceiro álbum impossível de rotular numa só expressão. Neste “The Bleakness of Our Constant” há toda uma paleta de cores sonoras que se baseia nas regras desreguladas da cena post e que lança até nós várias alusões de várias influências. Evidentemente triste e/ou melancólico, Jori Apedaile criou um álbum que espelha a beleza da natureza e da auto-reflexão da experiência humana numa química delicada, por vezes áspera, e astuta que entrelaça luta e triunfo. “The Bleakness of Our Constant” é um lugar – se assim acharmos correcto utilizar tal palavra – onde crueldade e aconchego representam uma dicotomia cada vez mais próxima, um lugar que uma vez visitado será revisitado vezes sem conta.

Ao longo de sete faixas dinâmicas e bem conseguidas, há espaço para black metal contemporâneo, segmentos calmos que exalam um pouquinho de prog à Opeth mas que depressa nos fazem lembrar uns Alcest, e até funeral doom metal em pontuais partes mais arrastadas e densas. De facto, Jori Apedaile tem razão: não é com simples palavras que vamos conseguir desmitificar “The Bleakness of Our Constant” – é preciso ouvi-lo.

Nota Final

Continuar a ler

Reviews

Sargeist “Unbound”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Editora: WTC Productions
Data de lançamento: 11 Outubro 2018
Género: black metal

Contextualizar a existência dos Sargeist é sempre uma filmaria, não pela complexidade sonora ou pela extensa discografia, mas antes pela panóplia de outros projectos em que os membros estão envolvidos. Logo à cabeça, o mentor Shatraug origina ou participa em dezenas de bandas, podendo mencionar-se apenas algumas como Horna, Mortualia, Nightbringer (ao vivo) ou Behexen (de 2009 a 2015). Por seu turno, a formação da banda também não é nada estável, chegando a 2018 sem os condecorados Horns (bateria, 2002-2016) e Torog (voz, 2002-2016). O que também é surpreendente é não ter havido aquele borburinho prévio de que aí vinha um novo trabalho dos finlandeses – basicamente, a editora disse “amanhã sai um novo álbum de Sargeist”, e aí está ele.

Ao nível da produção podemos colocá-lo num meio-termo entre o polido “Let the Devil In” (2010) e o mais cru “Feeding the Crawling Shadows” (2014); o resto é o que já se conhece de Sargeist e particularmente de Shatraug. Este novo “Unbound” apresenta-se todo ele robusto, extremamente bem executado e cativante a toda a largura. Entre o black metal veloz e obscuro é mais do que óbvio – pelo menos para quem está familiarizado – que Sargeist é também sinónimo de melodia incondicional e tantas vezes melancólica proveniente das guitarras, algo que se mistura facilmente com a bateria incessante e um vociferar demoníaco que tanto oferece raiva electrizante como agonia insuportável.

Ao fim de 20 anos, e esteja quem estiver nesta banda, Shatraug não perdeu o rumo daquilo que quer para Sargeist; por isso, não é de estranhar que “Unbound” seja mais um disco a ter muito em conta e que deve fazer parte da colecção dos amantes de black metal.

Nota Final

Continuar a ler

Reviews

Skálmöld “Sorgir”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Editora: Napalm Records
Data de lançamento: 12 Outubro 2018
Género: viking/folk metal

Cinco álbuns em nove anos de carreira é uma média muito boa; mais: ter cinco álbuns consistentes em discutível tenra idade é ainda um feito maior. Sob a chancela da Napalm Records, os islandeses Skálmöld – que já não são desconhecidos do público português, até porque voltam ao nosso país no próximo mês de Dezembro – voltam a fazer das suas.

Logo na inaugural “Ljósið” percebe-se o tipo de distorção utilizada neste álbum – uma que é granítica e ruidosa sem se perder a percepção sonora do que se quer transmitir. Por aqui há riffs pesados e com groove, juntando-se-lhe um refrão épico que dá o ponto de partida para um disco intenso. “Sverðið” mostra os primeiros leads mais dançantes relacionados ao folk metal, sem nunca nos desligarmos do tino do headbanging, e “Brúnin” é um ataque surpresa com malhas de entrada afectas ao power metal mais thrashy, oferecendo uma mescla de agressividade e diversão. O solo esgalhado e veloz incluído neste tema só prova a intenção mencionada atrás, e o mesmo pode-se aplicar a “Gangári” que não deixará descansar os pescoços.

“Barnið” representa um estilo mais cerimonial, que é expectável neste tipo de bandas, com especial foco na forma como Björgvin Sigurðsson coloca a voz, e a última “Mara” coabita entre a sonoridade própria da banda e uma alusão a riffs de hardrock dos 80s, só que bem mais céleres e ruidosos do que é comum.

“Sorgir” é, portanto, um longa-duração bem-conseguido que espelha a maturidade deste sexteto insular e que assume aquilo que já se compreendeu ao longo da discografia: álbum sólido atrás de álbum sólido.

Nota Final

 

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #17