Priest “New Flesh” [Nota: 8/10] | Ultraje – Metal & Rock Online
Reviews

Priest “New Flesh” [Nota: 8/10]

LLY029_-_New_-_Flesh_-__LP3_-_3000x3000_-_300dpiEditora: Lövely Records
Data de lançamento: 17 Novembro 2017
Género: electro

Volta e meia saltamos a cerca da nossa linha editorial; já aconteceu com K-X-P, Rainbowlicker, Perturbator ou GosT, e volta a acontecer com Priest, um projecto electrónico sueco que tem a particularidade de ser produzido por Simon Söderberg aka Alpha (ex-Ghost) e que conta com a participação, como convidado especial, de Mauro Rubino aka Air (ex-Ghost).

Facto: “New Flesh”, que é como se chama o álbum, rodou uma tarde inteira ao ponto de esquecer por completo que havia uma review para ser escrita, mas cá estamos…

Com membros misteriosos – está na moda –, os Priest apresentam um electro daqueles que podia ter sido feito em 1980 com a imaginação de como seria 2020. As faixas perspicazmente minimalistas desenvolvem-se em camadas distintas que nos permitem discernir cada som e dançar – isso mesmo! – à volta disso. Sem soar demasiado futurista, este registo acaba até por ser exótico na faixa “Populist” e, sempre com um instinto de pura catchiness, não podemos obliterar a existência de influências em Depeche Mode (“Vaudeville” e “The Cross”) ou mesmo Daft Punk (à custa de um auto-tune em “Call My Name”).

Priest são, sem dúvida, uma revelação no meio electro com uma produção muitíssimo profissional e com muito boas composições que são indicadas para fãs de grupos como Depeche Mode e Simian Mobile Disco.

 

 

 

8/10
Topo