#ChooseUltraje

Features

[Reportagem] Gaerea + Redemptus + Beastanger (22.06.2018 – Porto)

João Correia

Publicado há

-

Foto: João Correia

-/-

Gaerea + Redemptus + Beastanger
22.06.2018 – Porto

-/-

Autores de uma das maiores surpresas nacionais e internacionais do black metal na forma de “Unsettling Whispers”, lançado há pouco menos de duas semanas, os Gaerea realizaram a cerimónia inicial de lançamento do seu álbum de estreia no Metalpoint (Porto). A Ultraje foi convidada para fazer a reportagem da primeira data e, como apoiante sem reservas do que se passa no movimento português, marcou presença numa noite abafada e com previsão de chuva – de enxofre e lava, portanto.

Juntamente com o ataque sonoro ainda por vir, o calor dentro do Metalpoint ajudou a infernizar o ambiente que os Beastanger sobrecarregaram dando início à celebração com o seu black metal conservador. Ainda que formados em 2009, nesta data notou-se ainda falta de rodagem, talvez devido à falta de um disco que os leve a percorrer a estrada, talvez pelas interrupções relativamente constantes e que os forçaram a nem sempre estarem presentes no panorama. Ainda assim, tiveram o seu momento notável com “In The Eye Of The Crow”. Deram um concerto algo tímido com alguns problemas de som e necessitamos de vê-los com mais rodagem em cima para termos uma melhor opinião formada do seu trabalho.

De seguida foi a vez de os Redemptus invocarem demónios com o seu doom metal com pinceladas de sludge ou aquilo que lhe quiserem chamar. Possuem uma maturidade indiscutível, bem como a capacidade de criarem temas interessantes e com grandes doses de ritmos muito pesados, o que os levou a embarcarem numa recente tour europeia de sucesso. Pela altura que a banda começou a tocar, a massa humana já estava mais composta na sala. Por um lado, é louvável, demonstra interesse da parte do público; por outro, fez subir a temperatura num ambiente já sufocante. Os Redemptus decidiram apostar numa mistura de temas curtos / rápidos e mais lentos / compridos, caso de “A Grim Reminder” e “Peered Into Everyone’s Thoughts” respectivamente, mas também em passagens mais experimentais/ambientais como “Unravelling the Garden of All Forking Paths”. No geral foi uma actuação bastante positiva apadrinhada por uma qualidade de som acima da média.

Chegados os Gaerea, o Metalpoint já estava no ponto de rebuçado: apinhado, com um ambiente impossível de respirar e com um odor forte a suor para onde quer que nos virássemos. Se o inferno existir, é a isto que ele cheira e é a Gaerea que ele soa. A banda tocou “Unsettling Whispers” na íntegra, adicionando ainda “Void Of Numbness” a um set entorpecedor. Não são de estranhar os burburinhos e os sussurros inquietantes que se ouvem de todos os pontos do globo em relação ao trabalho de estreia da nova sensação nacional do black metal. De facto, “Unsettling Whispers” é a lufada progressiva de ar fresco que o movimento necessita de tempos a tempos para não se autoconsumir, sempre sem descurar a sensação doentia que apenas as melhores bandas de black metal conseguem providenciar. Ao vivo, o quinteto reproduz quase fielmente aquilo que consegue em estúdio, sem tempo para conversa ou outras futilidades que quebrem o clima da cerimónia. Dispuseram de uma qualidade de som robusta, ainda que longe de perfeita, mas o essencial estava lá. Em termos visuais, a banda bebe da eterna e cada vez mais estereotipada fonte dos Portal, mas não só apresenta um som muito próprio, como consegue atingir a dose de teatralidade certa, sem entrar em exageros e sem pecar por defeito. Em término, os Gaerea reproduziram ao vivo um álbum que tem tudo o que é necessário para se juntar à linha da frente do black metal de elite mundial. Agora que corram todas as estradas que puderem em direcção a portais mais amplos que encerrem terrores ainda mais inomináveis.

-/-

Texto e fotos: João Correia

Features

[Exclusivo] Mastodon: “Sempre que voamos para o outro lado do Atlântico, Portugal tem de estar na lista”, diz Troy Sanders

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Será a 17 de Fevereiro que os Mastodon passam por Portugal para um concerto em Lisboa e, em conversa com a Ultraje, o baixista/vocalista Troy Sanders só tem coisas boas a dizer sobre o nosso país: «Portugal é um país muito belo e os fãs são dos mais fiéis que temos.» Todavia, a grande revelação do excerto que aqui partilhamos viria a seguir: «Deixa-me pôr isto de forma mais clara – demos a indicação específica ao nosso agente para não confirmar a digressão enquanto Portugal não estivesse confirmado. Sempre que voamos para o outro lado do Atlântico, Portugal tem de estar na lista. Ficámos bastante aliviados quando o nosso agente nos deu a confirmação do concerto em Lisboa, pois esta parte da digressão só aconteceu porque respeitaram a nossa exigência de tocarmos em Portugal, baseámos a digressão em redor de tocarmos aí. Estamos bastante ansiosos por chegar a Lisboa, pois não só o país é muito bonito, como as pessoas são fantásticas.»

Ao lado dos Mastodon actuarão os Kvelertak e os Mutoid Man. Os bilhetes podem ser adquiridos AQUI.

 

Continuar a ler

Features

Ghost – Capítulo VI: A Visita

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Foto: Mikael Eriksson

Numa clara alusão à digressão europeia que se avizinha, Sister Imperator está recuperada do seu acidente e recebe a vista de Cardinal Copia que, com Papa Nihil, sai do hospital rumo a um destino desconhecido. Um desses destinos, que Cardinal Copia não tem conhecimento, passará pelo Estádio do Restelo (Lisboa) onde Ghost, Metallica e Bokassa têm encontro marcado com o público português a 1 de Maio.

O álbum mais recente da banda liderada por Tobias Forge intitula-se “Prequelle” e foi lançado em Junho de 2018 pela Spinefarm Records.

 

 

 

Continuar a ler

Features

[Antevisão] XXXapada na Tromba 2019: brutalidade exemplar

Diogo Ferreira

Publicado há

-

É já nos próximos dias 18 e 19 de Janeiro que decorre, no RCA Club (Lisboa), o XXXapada na Tromba – Freak n’ Grind Fest 2019. Durante estes dois dias, com concertos a começar pelas 17:30 na sexta-feira e 17:00 no sábado, a capital será o ponto de encontro para os fãs de death metal nas suas variadas vertentes e grindcore.

Sexta-feira começa com Moñigo, Rato Raro, Dehydrated e Crepitation. Logo após a hora de jantar, sobem ao palco os Meat Spreader com o seu grindcore bem produzido e com influências punk como se pode ouvir no álbum “A Swarm Of Green Flies Over The Rusty Pot”. De Itália vêm os veteranos Cripple Bastards que se formaram no já longínquo ano de 1988 e estão actualmente ligados à Relapse Records; “La fine cresce da dentro”, de 2018, é o mais recente álbum da banda italiana e para além do grindcore apresenta também influências de thrash metal. Depois do Epicardiectomy, será a vez dos Inhume, banda holandesa que tem em “Moulding the Deformed” o disco mais recente lançado em 2010; o seu brutal death metal / grindcore está a ser comemorado com a compilação “Exhume: 25 Years of Decomposition” (2018). Recentemente regressados às lides, os norte-americanos Brodequin são um dos grupos mais esperados do primeiro dia do XXXapada; com três álbuns na discografia, “Instruments of Torture” (2001) é o grande marco sonoro da banda. Pela madrugada tocarão ainda os seminais portugueses Grog, que decerto promoverão um concerto coeso, e os alemães Satan’s Revenge On Mankind.

No sábado, o XXXapada terá a sua primeira parte composta pelos Annihilation, Undersave, Hymenotomy, UxDxS e Tu Carne. Pelas 21:30, os GUT, fundados em 1991, subirão ao palco do RCA Club com o seu death metal / grindcore obscuro, sujo e mid-tempo que não põe de lado algum experimentalismo e crossover. Após os consagrados nacionais Analepsy, os romanos Devangelic darão uma toada mais blasfema à festa do XXXapada com um brutal death metal compacto; “Phlegethon” data de 2017 e é o álbum mais recente. Nome apelativo é o dos holandeses Prostitute Disfigurement que contam com quase 20 anos de carreira; algures entre o death metal tradicional e o brutal, a banda aponta para novo disco neste ano de 2019. O festival encerrará com o famoso happy/party grindcore dos reconhecidos além-fronteiras Serrabulho e com os sexuais Pornthegore.

Os bilhetes diários estão disponíveis através do endereço xxxapada.fest@gmail.com e têm o custo de 25€ em pré-venda. No dia do evento, o valor será de 30€. Os bilhetes para os dois dias do festival ainda se encontram disponíveis pelo valor de 40€ e podem ser comprados através do e-mail disponibilizado ou na Clockwork Store (Lisboa) e na Bunker Store (Porto). No dia do festival, o valor será de 50€ e limitado ao stock existente.

O evento no Facebook pode ser acedido aqui.

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #19