#ChooseUltraje

Features

[Reportagem] The Outer Ones Global Domination II Tour (12.12.2018 – Porto)

João Correia

Publicado há

-

Revocation (Foto: João Correia)

-/-

Revocation + Archspire + Soreption + Rivers of Nihil
12.12.2018 – Hard Club, Porto

-/-

Que a SWR – Sonic Events já muito fazia pelo ecossistema da música extrema em Portugal não é novidade – basta pensarmos no SWR Barroselas Metalfest e a questão começa e acaba com esse festival apenas. No entanto, muitas foram as vozes que, ao longo dos anos, tinham vindo a pedir aos irmãos Veiga uma presença de um género específico dentro do SWR – o death metal técnico/progressivo. Ainda que o SWR detenha as condições propícias para acolher bandas desse estilo particular, até agora os pedidos tinham sido infrutíferos, mas, em vez de dormentes, os Veiga prestavam atenção ao que o povo queria nas redes sociais. Dessa feita, trouxeram até Portugal uma tour em data única que pouco menos seria do que épica para os amantes do estilo quando pelo menos dois dos maiores nomes actuais do death metal técnico mundial constavam no cartaz.

Quando os Rivers of Nihil começaram a tocar, o Hard Club já tinha uma lotação acima dos 50%, prova inolvidável de aposta ganha. A banda da Pensilvânia foi uma das grandes surpresas do ano graças a “Where Owls Know My Name”, um misto de death metal técnico com elementos progressivos e terceiro álbum pela editora Metal Blade. O público respondeu bem à prestação do colectivo liderado por Jake Dieffenbach, com demonstrações de apreço na forma de slam e crowdsurfing. Para além de promoverem o novo disco na forma de temas favoritos como “Home” e “A Silent Life”, houve ainda tempo para composições mais antigas, caso de “Soil & Seed”.

Seguiram-se os não tão sonantes Soreption, que uma boa fatia do público tinha curiosidade em conhecer. As dúvidas foram rapidamente desfeitas com o violento assalto presenciado no Hard Club. Na estrada a promoverem “Monument Of The End”, editado pela Sumerian Records em Agosto de 2018, os suecos não só são ridiculamente técnicos como apostam com mais ênfase na brutalidade do que qualquer outra banda do cartaz, particularmente devido à voz de Fredrik Söderberg que tanto lembra as investidas vocais dos Origin. Cerca de 45 minutos passaram a voar, bem como alguns corpos na sala, com o destaque do público a ir para um respeitável circle pit que tomou forma pela primeira vez nesta noite. Curiosidade satisfeita e prova superada.

Mas a grande surpresa do serão foram os canadianos Archspire que, insatisfeitos com o lançamento de “Relentless Mutation”, a proposta absurda do death metal técnico do ano passado, ainda conseguiram replicá-lo fielmente em palco, qualidade sonora incluída. Como uma equação matemática elegante (bom, talvez elegante não seja a palavra mais adequada…), tal é a essência dos Archspire: algo imutável, exacto e, sinistramente, possuidor de uma beleza característica. Dividindo as atenções entre a velocidade terminal de Oliver Aleron (voz) e as estruturas polirrítmicas de Morelli e Lamb (guitarras), os Archspire foram a banda da noite sem margem para dúvidas, coroando uma actuação perfeita com “Human Murmuration” e (principalmente) “Involuntary Doppelganger”, que causaram mais movimento terrestre e aéreo no meio do público. Se um concerto de death metal técnico puder atingir um ponto de referência, esse concerto será certamente proporcionado pelos Archspire.

Por fim, foi a vez de os norte-americanos Revocation convencerem o público português do porquê de serem uma das bandas  mais bem cotadas a nível mundial no que toca a uma mistura de death metal técnico, thrash progressivo e elementos de outros géneros da enorme família do heavy metal. Nos bastidores, Dean Lamb (guitarrista dos Archspire) segredou-nos que «os Revocation são tão, mas tão melhores do que nós…». De “Teratogenesis” a “The Outer Ones”, nenhum trabalho passou abaixo do radar dos naturais de Boston assinados pela Relapse Records, sempre comunicativos e que aproveitaram para gravar excertos da movimentação entre o público para uma edição futura. Malhas como “Chaos Of Forms”, “The Outer Ones”, “Existence Is Futile” ou a final “Witch Trials” deixaram uma marca duradoura nos presentes, cientes do acontecimento especial em geral que tinham acabado de presenciar. A SWR – Sonic Events está de parabéns pela iniciativa e pela forma suave como tudo decorreu, mas também pela coragem em trazer uma digressão ao norte do país, uma região que cada vez mais combate o centralismo despropositado m Portugal. Mesmo sendo uma iniciativa de nicho, conseguiu encher uma casa a meio da semana sem dificuldades. Que venham mais e melhores eventos; o público lá estará para agradecer.

Texto e fotos: João Correia

Features

Nuno Bettencourt, Tom Morello e Scott Ian tocam tema de Game Of Thrones

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Consagrada como uma das séries mais populares de sempre, Game Of Thrones, que terminou na última madrugada, teve a capacidade de exultar nos seus fiéis seguidores todas as emoções desde o seu início com o genérico criado por Ramin Djawadi.

No clip abaixo, Djawadi é acompanhado por Dan Weiss (criador da série), Tom Morello (Rage Against The Machine), Scott Ian (Anthrax), Nuno Bettencourt (Extreme) e Brad Paisley numa jam session com as novas guitarras Fender em que tocam precisamente o tema principal de Game Of Thrones com muito free-style solista pelo meio.

Continuar a ler

Features

Sabaton History Channel, ep. 15: o Barão Vermelho

Diogo Ferreira

Publicado há

-

No novo episódio do Sabaton History Channel, Joakim Brodén e Indy Neidell escolhem falar do tema “The Red Baron” que pertence ao próximo álbum “The Great War”, a ser lançado a 19 de Julho pela Nuclear Blast.

O Barão Vermelho é um do ícones heróicos da I Guerra Mundial que, simultaneamente, engloba a mecanização e a romantização da guerra moderna com as suas habilidades e heroísmo. Manfred von Richthofen é o nome verdadeiro do piloto que é, então, recordado em mais um episódio do Sabaton History Channel.

Mais episódios AQUI.

Continuar a ler

Features

Jinjer ao vivo no Resurrection 2018 (c/ vídeo)

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Foto: Veronika Gusieva

Abaixo podes assistir à prestação dos Jinjer no Resurrection de 2018. Recentemente disponibilizado pelo próprio festival, este vídeo servirá para aguçar a vontade que os fãs desta banda têm para os ver no Vagos Metal Fest deste ano. Nos quase 40 minutos de concerto, os Jinjer executaram temas como “Words Of Wisdom”, “I Speak Astronomy”, “Pisces” ou “Captain Clock”.

O EP “Micro”, lançado em Janeiro de 2019 pela Napalm Records, é o registo mais recente dos ucranianos que, como referido, actuarão no Vagos Metal Fest, evento que se realiza entre 8 e 11 de Agosto. Stratovarius, Six Feet Under, Satyricon, Candlemass, Death Angel, Watain e Alestorm são alguns dos nomes do cartaz.

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #21