#ChooseUltraje

Features

[Reportagem] Moita Metal Fest 2018: Moita’s Not Dead (dia 1)

João Correia

Publicado há

-

22365397_1578373528886782_7656043292497899377_n

Depois da aposta no novo recinto em 2017, o Moita Metal Fest entrou na primeira liga de festivais de metal em Portugal. É verdade que o festival já tinha apresentado bandas de renome internacional em edições anteriores, mas a mudança de local no ano passado fez a organização ampliar tanto o espaço como o cartaz. Ainda que regado com alguma chuva, o primeiro dia do Moita Metal Fest 2018 repetiu a dose com quatro bandas nacionais e duas internacionais a entreter os cerca de mil presentes que se deslocaram de todo o país à vila da Moita. Faça chuva ou faça sol, o festival já é um ponto de encontro para a irmandade metálica nacional.

rsz_vira_lata_-_alteradaViralata (Foto: João Correia)

Devido a atrasos imprevistos, a Ultraje não conseguiu presenciar a actuação dos Dark Oath (uma banda de Soure, distrito de Coimbra) e dos lisboetas Sacred Sin, aos quais sucederam os também alfacinhas Viralata. Este quarteto toca punk rock clássico sem complicações, fazendo lembrar por vezes Peste & Sida e Censurados. Apanhámo-los a meio, o que foi suficiente para testemunharmos circle pits e uma comunicação profissional com o público. Aqueceram bem as hostes para os lisboetas Filii Nigrantium Infernalium (FNI), os semideuses do panteão pagão português. Mas quão bons serão os FNI? Depende. Nas palavras do próprio Belathauzer, são a pior banda portuguesa de heavy metal. Nas palavras de quem os ouve desde 1993, são a banda mais incompreendida desde a sua fundação, mas não há problema: mesmo que fossem maus, os FNI venciam-nos pelo cansaço, tal é a insistência do quarteto há 26 anos. Tocaram cerca de 30 minutos, com uma interrupção técnica de uns cinco minutos que ameaçou um set ainda menor, mas não há problema técnico que resista aos clássicos dos Abba. “Gostam de Abba? Gostam? Gostam de Abba?”, perguntou Belathauzer. E foi assim que os FNI terminaram a sua actuação, com Abba… Perdão, com “Abadia do Fogo Negro”, clássico incontornável de “A Era do Abutre”.

rsz_filii_1_-_alteradaFilii Nigrantium Infernalium (Foto: João Correia)

Menos de meia hora de concerto foi o suficiente para os FNI terem realizado a melhor prestação da noite, ex aequo com uma banda um tudo-nada menos metálica – já lá vamos. Depois dos FNI, subiram ao palco os gregos Suicidal Angels que praticam thrash metal clássico moderno de alta qualidade. O thrash é um género constante no Moita, tanto por já fazer parte da natureza do festival como por ser um género que continua a atrair muitos fãs devido à sua franqueza e facilidade de audição. Acontece que os Suicidal Angels não apresentam grandes novidades; sim, são bons músicos (principalmente Gus Drax, o verdadeiro mago destes helenos), bem como catchy e profissionais, mas quem vê um concerto de Suicidal Angels vê-os todos. O mar de gente que assistiu ao concerto e que gerou circle pits e vôos atrás de vôos desde o palco para o público não ficou desiludido com a actuação dos gregos.

rsz_suicidal_angels_3_-_alteradaSuicidal Angels (Foto: João Correia)

Por fim, foi a vez dos escoceses The Exploited subirem ao palco e mandarem abaixo o recinto com uma violenta mistura de Oi! punk, thrash metal e crossover. O colectivo de Wattie Buchan já anda na estrada há quase 40 anos e, depois do desaire cardíaco que ia custando a vida ao vocalista há quatro anos em Portugal, a vontade de rever uma das poucas verdadeiras bandas punk era visível. Sem cerimónias, os The Exploited deram início ao massacre com “Let’s Start A War”, que de imediato gerou um enorme circle pit em frente ao palco e que decuplicou a quantidade de stagedivers, que só paravam os vôos entre temas. Daí em diante foi uma enxurrada de clássicos: abordaram a época mais metálica da sua carreira com temas como “The Massacre” e “Porno Slut”, virando depois o bico ao prego para o punk com, entre muitos outros, “Cop Cars”, Sex & Violence”, “Fuck The U.S.A.” e “PGS”, que levou cerca de 60 fãs para cima do palco a convite do vocalista para cantarem em uníssono o clássico tema. Wattie e Irish Rob (baixista) não só não deram tréguas ao público como mantiveram comunicação permanente com ele, tanto ao que assistia em frente ao palco como ao que decidia participar na acção ao subir para ele, fosse para cantar, abraçar ou dançar com os elementos dos The Exploited. Cerca de uma hora de concerto revelou uma banda que não tem intenções de abrandar aquilo que faz de melhor: embarcar em extensas tournées pelo mundo fora para fazer as delícias dos fãs e converter novos adeptos.

rsz_the_exploited_4_-_alteradaThe Exploited (Foto: João Correia)

Bom dia de abertura de um festival que cada vez mais aposta em boas bandas e, principalmente, em bom convívio e bom ambiente quase às portas do Alentejo.

-/-

 

Features

Sabaton History Channel: segundo episódio dedicado a “Blood of Bannockburn”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

No segundo episódio do Sabaton History Channel, Indy Neidell e Joakim Brodén trazem o tema “Blood of Bannockburn”, do álbum “The Last Stand” (2016), que versa sobre a batalha com o mesmo nome que ocorreu durante a Primeira Guerra da Independência da Escócia (1296-1328). Robert the Bruce é uma das principais figuras deste momento histórico ao ter-se oposto aos invasores ingleses liderados por Eduardo I.

Continuar a ler

Features

Phil Demmel (ex-Machine Head): «Detestei o último disco.»

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Foi em Setembro de 2018 que Robb Flynn, dos Machine Head, anunciou que o guitarrista Phil Demmel e o baterista Dave McClain iam abandonar a banda. Ainda assim, os dois músicos despediram-se dos fãs de Machine Head com a digressão norte-americana Freaks & Zeroes.

Meses volvidos, Demmel falou sobre este assunto durante um episódio do podcast Talk Tommey. «Não vou dizer mal desta separação ou do Robb. Acho que ele é um músico fantástico e os tempos que passei em Machine Head foram maravilhosos. Os últimos anos apenas não foram. Já não trabalhávamos como pessoas.»

Depois de afirmar que já não estavam a percorrer o mesmo caminho, Demmel faz a revelação chocante sobre o álbum “Catharsis”: «Detestei o último disco. Há momentos daquilo que compus que gosto. Compus a maior parte da [faixa] “California Bleeding”, mas o Robb escreveu as letras.» «Acho que [Machine Head] tornou-se no projecto a solo do Robb Flynn, e não foi para isso que me alistei», remata.

«Os últimos anos foram apenas para receber salário – e não posso fazer isso», referindo que não aguentava constantes indicações como «não podes fazer isto, não podes fazer aquilo, não fiques aí, não digas isto, não cantes as letras para o público, não apontes».

Em última análise, o guitarrista acha que ambos estavam fartos um do outro – «acho que lhe fiz um favor ao não ter que me despedir», saindo assim pelo próprio pé.

Phil Demmel, que esteve nos Machine Head primeiramente em 2001 e depois no período entre 2003 e 2018, conclui: «Ajudei esta banda desde o ponto mais baixo ao mais alto. Fizemos álbum fantásticos, demos concertos fantásticos. Por isso, estou a tentar reflectir sobre as cenas positivas.»

Actualmente, Demmel está a substituir Gary Holt (Exodus) nos Slayer e ressuscitou o projecto Vio-lence. Por sua vez, o baterista Dave McClain reuniu-se aos Sacred Reich.

Continuar a ler

Features

Lançamentos de 08.02.2019 (Downfall of Gaia, Maestus, Windswept, Yerûšelem)

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Downfall Of Gaia “Ethic of Radical Finitude” (Metal Blade Records)

«“Ethic of Radical Finitude” soa evidentemente a Downfall Of Gaia, mas com uma pequena nova abordagem que se revê na forma ainda mais directa com que a banda expele o seu post black metal dividido em acostagens ao sludge e ao crust. […] O quarteto oferece o álbum mais melódico ate à data, fruto dos constantes leads de guitarra, e também o mais distante das bases do black metal, incorrendo-se assim a segmentos – agressivos ou calmos – mais voltados ao post metal.» (DF)

Review completa | Shop

 

Maestus “Deliquesce” (Code666 Records)

«Neste segundo álbum de quatro faixas que perfazem cerca de 50 minutos de duração, o quinteto do Oregon canaliza frustrações, ansiedade e distanciamento com um doom metal lento em passada fúnebre que ganha contornos melancólicos afectos à triste paz do isolamento – a miséria – através de arranjos atmosféricos em fundo. Por seu turno, as secções mais extremas voltam-se para o black metal.» (DF)

Review completa | Shop

 

Windswept “The Onlooker” (Season Of Mist)

«Neste empreendimento paralelo, que também é capaz de expelir black metal atmosférico, melódico, algo hipnótico e épico como em Drudkh ou até Precambrian, o trio tende a focar a sua finalidade criativa na arte do improviso e no poder que uma gravação em modo live pode ter, sem omitirmos o pormenor interessante que é passarem pouquíssimo tempo em estúdio.» (DF)

Review completa | Shop

 

Yerûšelem “The Sublime” (Debemur Morti Productions)

«“The Sublime” prende-se essencialmente a três pontos: uma atmosfera neogótica e algo urbana, uma batida de fundo com pulso industrial e malhas de guitarras que fazem os mais atentos recordarem-se de black metal.» (DF)

Review completa | Shop

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #20