#ChooseUltraje

Features

[Reportagem] Porto Deathfest IV (30.09.2018 + 04.10.2018 – Porto)

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Fleshcrawl (Foto: Pedro Félix da Costa)

-/-

Dia I – 30 de Setembro
Beyond Carnage + Neocaeser + Burial Invocation + Fleshcrawl

Na passagem de Setembro para Outubro, a Invicta recebeu a quarta edição do Porto Death Fest. Dividido de forma invulgar entre uma tarde de domingo e a noite da quinta-feira, o festival, por esse mesmo motivo, mostrou duas facetas do death metal que, apesar de diferentes, se complementaram.

No mais internacional dos dias, a matiné do dia 30 de Setembro abriu com os lusos Beyond Carnage, que trouxeram ao norte o seu death metal envolto em escuridão. Com uma qualidade de som acima da média do que seria de esperar para o exíguo espaço do Metalpoint, a banda apresentou o seu EP de estreia “Profane Sounds Of The Flesh” e, perante uma sala que ia recebendo público lentamente, demonstrou que, independentemente do número de pessoas presentes, a sua prestação era sempre de entrega total. Apesar de ser uma banda recente, mostraram experiência de palco e deram o mote para uma grande noite de celebração do death metal.

Também em apresentação do seu trabalho de estreia vieram, da Holanda, os Neocaesar. Com um set inteiramente composto com os nove temas do álbum, excluindo o instrumental “Sigillorum Satanas”, que foram tocados por ordem quase idêntica à que nele constam, os Neocaesar mostraram em palco uma intensidade em energia idêntica à que os Beyond Carnage tinham mostrado em negritude. A forma como tomaram de assalto o palco apanhou de surpresa até mesmo aqueles que já os conheciam bem, sendo, para muitos, a melhor prestação da noite. Curiosamente, a banda é composta por ex-membros de Sinister, mas vários deles não se cruzaram quando engrossavam as suas fileiras. Este passado comum trouxe ao de cima toda a experiência destes músicos em palco e foi o rastilho que incendiou o público.

Da terra do quarto crescente chegaram o Burial Invocation. Senhores de um estilo mais obscuro e bastante agarrado às sonoridades clássicas, estes turcos também mostraram que a forma como aliam a técnica ao seu som, criando temas longos, como os quase dez minutos de “Revival” que abriu a actuação, que lhes confere uma posição interessante dentro do estilo. Com um set composto quase integralmente por temas do seu álbum de estreia, “Abiogenesis”, conseguiram cativar a audiência, não sofrendo em nada com a adrenalina que fora injectada nos presentes pela banda anterior.

Um dos factos que marcaram bem o primeiro dia do festival foi a diversidade dos estilos dentro do estilo. Todas as bandas eram diferentes, todas se complementaram e nunca colidiram. Isto deu ao cartaz um equilíbrio em termos de passagem entre bandas que nem sempre é conseguida na organização de eventos como este. Como é óbvio, não foram estranhos a este facto os cabeças-de-cartaz Fleshcrawl. Da noite foi a banda com mais elementos, ficando o pequeno palco do Metalpoint completamente ocupado com a sua presença. No entanto, isso não foi impedimento para estes alemães mostrarem toda a sua classe e fecharem a noite com uma prestação memorável. As guitarras com sonoridade de influência sueca e as melodias dos riffs encheram por completo a sala com uma qualidade sonora impressionante. De notar a forma muito positiva como interagiram com o público, nomeadamente numa constante troca de brindes com cerveja ao som de um ‘sáúde’ de pronúncia alemã.

-/-

Necrot (Foto: Pedro Félix da Costa)

-/-

Dia II – 4 de Outubro
Aischrolatry + Biolence + Grindead + Necrot

A noite de 4 de Novembro apresentava um cartaz que invertia, na totalidade, o do primeiro dia. Onde o outro apresentava apenas uma banda portuguesa a fazer a abertura, este tinha apenas uma banda estrangeira a fazer o encerramento.

A abertura deste segundo dia, que recebeu tanta ou mais gente como no dia anterior, ficando mais uma vez o Metalpoint bastante bem composto, teve uma toada diferente. Com bateria, baixo e voz, os Aischrolatry foram até aos ossos do grind e fizeram a sala estremecer com a overdose de graves da sua avalanche sonora. Apesar de se considerar que esta simplificação de um estilo, já de si simples, possa ter um resultado desinteressante, este duo conseguiu, de forma peremptória, provar o contrário.

A festejar as duas décadas de carreira, os Biolence aproveitaram o festival para alargar esses festejos a uma mão cheia de convidados, nomeadamente ex-membros da banda que subiram ao palco para recordar tempos idos. Uma celebração que percorreu toda a carreira da banda numa total interactividade com o público.

A experiência de uma banda com vinte anos de carreira deu lugar a uma nova com largos anos de experiência nos seus elementos. Em concerto de estreia, os Grindead são um grupo que conta nas suas fileiras com elementos que passaram por instituições como os Genocide ou os Web, e que agora se uniram para regressar aos palcos e nos presentear com um death metal poderoso que nada fica a dever às suas raízes.

O fecho da noite veio pela mão dos norte-americanos Necrot, em estreia absoluta no nosso país. Apresentando um death metal de raízes clássicas, este trio, que trazia na bagagem o álbum de estreia “Blood Offerings”, deu o golpe de misericórdia numa noite que acabava de se tornar memorável. Frente-a-frente com um público incansável e sempre sedento de mais, os Necrot descarregaram toda a sua energia numa total sinergia entre banda e público.

No final, e em retrospectiva, o Porto Deathfest, apesar de ainda ir na sua quarta edição, demonstrou ter maturidade, principalmente ao apresentar um cartaz bastante diversificado dentro do estilo, onde houve espaço tanto para bandas conceituadas como estreantes, e onde os nomes nacionais complementaram as excelentes presenças vindas de além-fronteiras.

Texto e fotos: Pedro Félix da Costa

Features

Nuno Bettencourt, Tom Morello e Scott Ian tocam tema de Game Of Thrones

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Consagrada como uma das séries mais populares de sempre, Game Of Thrones, que terminou na última madrugada, teve a capacidade de exultar nos seus fiéis seguidores todas as emoções desde o seu início com o genérico criado por Ramin Djawadi.

No clip abaixo, Djawadi é acompanhado por Dan Weiss (criador da série), Tom Morello (Rage Against The Machine), Scott Ian (Anthrax), Nuno Bettencourt (Extreme) e Brad Paisley numa jam session com as novas guitarras Fender em que tocam precisamente o tema principal de Game Of Thrones com muito free-style solista pelo meio.

Continuar a ler

Features

Sabaton History Channel, ep. 15: o Barão Vermelho

Diogo Ferreira

Publicado há

-

No novo episódio do Sabaton History Channel, Joakim Brodén e Indy Neidell escolhem falar do tema “The Red Baron” que pertence ao próximo álbum “The Great War”, a ser lançado a 19 de Julho pela Nuclear Blast.

O Barão Vermelho é um do ícones heróicos da I Guerra Mundial que, simultaneamente, engloba a mecanização e a romantização da guerra moderna com as suas habilidades e heroísmo. Manfred von Richthofen é o nome verdadeiro do piloto que é, então, recordado em mais um episódio do Sabaton History Channel.

Mais episódios AQUI.

Continuar a ler

Features

Jinjer ao vivo no Resurrection 2018 (c/ vídeo)

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Foto: Veronika Gusieva

Abaixo podes assistir à prestação dos Jinjer no Resurrection de 2018. Recentemente disponibilizado pelo próprio festival, este vídeo servirá para aguçar a vontade que os fãs desta banda têm para os ver no Vagos Metal Fest deste ano. Nos quase 40 minutos de concerto, os Jinjer executaram temas como “Words Of Wisdom”, “I Speak Astronomy”, “Pisces” ou “Captain Clock”.

O EP “Micro”, lançado em Janeiro de 2019 pela Napalm Records, é o registo mais recente dos ucranianos que, como referido, actuarão no Vagos Metal Fest, evento que se realiza entre 8 e 11 de Agosto. Stratovarius, Six Feet Under, Satyricon, Candlemass, Death Angel, Watain e Alestorm são alguns dos nomes do cartaz.

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #21