Requiem Laus “A Higher Claim” [Nota: 8.5/10] | Ultraje – Metal & Rock Online
Reviews

Requiem Laus “A Higher Claim” [Nota: 8.5/10]

591607Editora: independente
Data de lançamento: Julho 2016
Género: death metal melódico

Sempre acreditei que se os Requiem Laus fossem uma banda sediada no continente português seriam presença assídua em muitos palcos. Quis o destino que o génio de Miguel Freitas nascesse na ilha da Madeira e, por isso, à falta de concertos vamos contentando-nos com lançamentos de estúdio. Depois do álbum “As Long As Darkness Bleed” (o segundo, de 2011) e do EP “Impulse” (2012), a banda de death metal melódico regressa com o EP “A Higher Claim”.

Com cinco novas faixas – que se resumem verdadeiramente a apenas duas, visto que há intro, outro e interlúdio –, vamos dar destaque ao tema-título e a “Beyond The Darkest Horizons”, dois temas com composição da banda e letras do poeta madeirense Jorge Ribeiro de Castro. Se fosse para dar nota apenas a uma faixa, o tema-título deste trabalho estaria muito perto do 10 em 10. A ala melódica percorre todo o tema com uma guitarra lead orelhuda e que até nos dá a possibilidade de a acompanhar com a nossa voz em uníssono se de um concerto se tratasse. Basicamente, “A Higher Claim” (a faixa) não tem ponto alto específico no seu decorrer; o ponto alto começa no primeiro momento do primeiro riff e acaba ao fim dos seus quatro minutos. Ouçam vocês mesmos mais abaixo.

“Beyond The Darkest Horizons” tem quase 10 minutos de duração e é um tema mais complexo do que o anterior. A faceta melódica continua claramente evidente, mas, aqui, a mais simplista guitarra lead mistura-se com uma guitarra ritmo bem marcada com um sentido melodioso vincado. Podemos até afirmar que esta faixa divide-se em duas partes: a primeira funciona como um convencimento do que aí vem – tanto conceptual como musicalmente –, enquanto a segunda promove a desgraça final da personagem que encara o sorriso silencioso da morte.

É de death metal melódico que se preenche a actualidade dos Requiem Laus, mas garantimos, desde já, que este é um trabalho muito sentimental transparecido concretamente nas guitarras e até na voz profunda de Miguel Freitas. Finalmente, e sendo um EP, nota-se um cuidado sensível na gravação levada a acabo por Ricardo Fernandes (baixo) e pelo próprio Miguel Freitas (voz/guitarra) que não quiseram deixar o (possível) sucesso de “A Higher Claim” em mãos alheias.

8.5/10
Topo