Ross the Boss “By Blood Sworn” [Nota: 8/10] – Ultraje – Metal & Rock Online
Reviews

Ross the Boss “By Blood Sworn” [Nota: 8/10]

ro_bbs_c_600x600Editora: AFM Records
Data de lançamento: 20 Abril 2018
Género: heavy metal

O curriculum de Ross The Boss é daqueles que ocupam várias páginas da história da música, nomeadamente o metal e o punk, sendo este o estilo por onde começou. Para quem se move nos círculos metálicos basta referir o nome Manowar para se compreender a força das raízes deste guitarrista. Co-fundador dessa emblemática banda, Ross, desde esses tempos, já passou por vários outros projectos musicais, mas, para a presente situação, o que está na mesa é a sua carreira a solo. “By Blood Sworn” é o seu terceiro lançamento, sendo que oito anos o separam do anterior. Para quem nunca ouviu é preciso afirmar, logo de início, que se estão à espera do power dos Manowar, desenganem-se; Ross segue o seu caminho e enterra com firmeza a bandeira do heavy metal no seu território musical.

O álbum inclui dez temas, sendo que a edição em digipak traz três extra, incluindo uma versão de “Hail And Kill” dos Manowar. Sobre estes três temas não nos podemos pronunciar, visto não constarem do alinhamento do promo recebido. Dos restantes dez, sim, podemos opinar, e, se forem exemplo para os temas extra, então velará bem a pena a versão em digipak.

O heavy de Ross é puro, com alguma influência americana e bastante rock à mistura. A aproximação é clássica, embora seja incorrecto afirmar ser “revivalista” ou “old-school”, mas sim clássica em conceito e moderna em execução. Outra coisa de que não se pode acusar este trabalho é de ser repetitivo. A diversidade musical entre os temas é grande, sem, no entanto, comprometer a integridade do grupo, sem cair numa manta de retalhos, sem perder o foco, conseguindo manter fresco o som de início a fim. Por falar em fim, o álbum encerra com “Fistful Of Hate”, um heavy poderoso recheado de melodia que fecha com chave de ouro o que fora iniciado de forma quase épica pelo tema-título. Pelo meio temos a melancolia de “Among The Bones”, o magistral solo de “This Is Vengeance” e “Faith Of The Fallen”, a balada que não podia faltar. O problema de “By Blood Sword” é que se começamos a nomear faixas acabamos por correr todas, já que é impossível considerar que alguma se destaca de outra ao ponto de a ofuscar.

Última referência para a soberba voz de Marc Lopez, capaz de uma amplitude invejável entre o agressivo, o melódico e o agudo. É a cereja no topo do bolo.

8/10
Topo