TarantisT “Not A Crime” [Nota: 6.5/10] | Ultraje – Metal & Rock Online
Reviews

TarantisT “Not A Crime” [Nota: 6.5/10]

album_artworkEditora: independente
Data de lançamento: Junho 2017
Género: metal / rock / oriental

Quando nos deparamos com bandas orientais que se vêem travadas pelas suas sociedades mas que ainda assim fazem o que a vontade artística lhes manda, temos a tendência a oferecer-lhes a nossa compaixão e apoio solene esquecendo muitas vezes se realmente fazem boa música ou não. Do Irão vêm os TarantisT (de tarantismo: uma vontade incontrolável de dançar devido à picada da tarântula) que, aos poucos e soltando-se das amarras de não serem considerados muçulmanos o suficiente, lá conseguiram alguma visibilidade internacional e até já deram concertos nos EUA e no Canadá.

Ainda que não possuam a melhor produção, fazem o possível para demonstrar as suas criações atmosféricas aqui e psicadélicas acolá, convergindo assim metal e rock num equilíbrio muito bom e refrescante. Se há notas soltas que se interligam em melancolia, também há riffs eléctricos numa onda mais punk ou metal; se há ambientes orientais com a utilização de instrumentos locais, também há uma boa dose de industrial; se há vozes limpas, também há alguma fúria vocal (ainda que não seja puramente extrema) – e o mais interessante é que estas inclusões não estão separadas por faixas, pois é evidente ao longo da audição que os TarantisT têm o intuito de criar dinâmicas e texturas diversas dentro das próprias faixas, ainda que não possamos chamar prog a isso. No entanto – e não caindo no tal erro da compaixão –, temos de incutir mais sinceridade a esta análise e afirmar que nem tudo aqui é incrível – desde a produção pouco orgânica a algumas malhas menos sedutoras –, mas há um ponto muito convincente e atractivo neste “Not A Crime”: a utilização da língua farsi que permite aos TarantisT provar de onde vêm sem queixume.

Para além da música agradável, vale a pena, por fim, enfatizar a concepção lírica que explora anti-extremismos, anti-corporações e direitos humanos, e vindo de quem vem podemos assentar em pedra que os TarantisT sabem do que falam – é uma luta contínua e longe de acabar em bem. Felizmente o mundo ainda cria artistas.

6.5/10
Topo