The Howling Void “The Darkness at the Edge of Dawn” [Nota: 7/10] | Ultraje – Metal & Rock Online
Reviews

The Howling Void “The Darkness at the Edge of Dawn” [Nota: 7/10]

cover-thvEditora: Avantgarde Music
Data de lançamento: 18 Dezembro 2017
Género: doom metal atmosférico

Ryan Wilson é um multi-instrumentalista envolvido num molhe de projectos musicais underground que passam pelo death metal, black metal e funeral doom. Este último subgénero é a sonoridade de raiz do projecto The Howling Void, o qual foi gradualmente afastando-se dos rugidos guturais e da velocidade da tinta a secar nos seus dez anos de existência.

Claro que ainda continua bem lento e bastante doomy quando posto ao lado de álbuns iniciais como o belo “Shadows Over The Cosmos” e os primeiros minutos da faixa introdutória “Distant Shores”. Com a ambiência dos teclados e a ressonância das guitarras acompanhados do badalar de sinos revela desde logo toda a essência melancólica do registo que estamos prestes a ouvir. A voz de Ryan é suave, fazendo lembrar a de John Haughm, dos Agalloch, sendo um dos elementos principais que fazem deste “The Darkness at the Edge of Dawn” um álbum essencialmente contemplativo, algo na linha daquilo que uns Saturnus mais melódicos ou uns Draconian menos compostos poderiam soar. O tremolo picking que já nos lançamentos anteriores era uma das características da sonoridade deste projecto parece trazer os ares frios do black metal para contribuir para a atmosfera triste e meditativa do disco.

Não há propriamente um lado mau no novo álbum de The Howling Void. Para aquilo que é serve bem. A variedade é quase nula, mas para a sonoridade que estão a praticar (não, não me estou a referir ao doom metal no geral) acaba por não pecar na fórmula.

É um bom álbum para se ouvir numa tarde fria e cinzenta, dando um passeio por um parque ao ver as folhas a caírem das árvores. Fora deste tipo de contexto não é lá muito relevante.

7/10
Topo