Trees Of Eternity “Hour Of The Nightingale” [Nota: 7.5/10] | Ultraje – Metal & Rock Online
Reviews

Trees Of Eternity “Hour Of The Nightingale” [Nota: 7.5/10]

trees_of_eternity_coverEditora: Svart Records
Data de lançamento: 11 Novembro 2016
Género: doom metal melódico

Ao longo dos últimos três anos, Juha Raivio (Swallow The Sun) e Aleah Starbridge andaram a trabalhar neste “Hour Of The Nightingale”, mas, e já em fase de pós-produção, a vocalista de 39 anos perdeu a luta contra o cancro. O début de Trees Of Eternity é, portanto, um disco póstumo que, segundo Raivio, irá perpetuar a beleza musical de Aleah. À dupla juntaram-se ainda o baterista Kai Hahto (Nightwish) e os irmãos Norrman (October Tide, ex-Katatonia).

“Hour Of The Nightingale” é puro doom metal melódico e contemporâneo que, por certo, será ouvido com grande sentimento. Se o estilo em si já faz sentir tristeza aconchegante e alguma desolação, pensar que Aleah não está entre nós exponencia ainda mais um vazio irreparável. À voz sedosa, cristalina e terna de Aleah unem-se as guitarras lead que brilham com notas soltas e chorosas, bem como as de ritmo que preenchem um fundo igualmente melodioso, arrastado e pontualmente denso. Uma nota ainda para a participação muito positiva de Mick Moss (Antimatter) na terceira “Condemned To Silence” e para um menos preponderante Nick Holmes (Paradise Lost) na décima e última “Gallows Bird”.

Mesmo sabendo que o tempo se esgotava e que se teria de utilizar o máximo de composições possíveis porque seria a última oportunidade, o disco acaba por ser demasiado longo (pouco mais de uma hora) e ao fim de três ou quatro faixas já se percebe tudo o que daí sucederá nos restantes minutos. Mesmo assim, vale a pena – literalmente e em duplo significado – ouvi-lo por completo pelo menos uma vez, porque, na verdade, é incrível sentir a beleza profissional destes artistas, incluindo mesmo o conceituado produtor Jens Bogren e o designer Fursy Teyssier (Les Discrets).

 

7/10
Topo