Vyre “Weltformel” [Nota: 7/10] – Ultraje – Metal & Rock Online
Reviews

Vyre “Weltformel” [Nota: 7/10]

701042Editora: Supreme Chaos Records
Data de lançamento: 20 Abril 2018

Com membros anteriormente afectos aos Eïs, os Vyre já vão para o terceiro álbum e sempre com o selo da Supreme Chaos Records. Continuando a epopeia sci-fi e espacial, o grupo alemão oferece um metal que é difícil de rotular… Apresentam-se como avant-garde metal, mas será que há realmente elementos que o fazem ser assim? Dificilmente, afinal isto não é assim tão complexo musicalmente se falarmos de fronteiras e estruturas. Também se refere um lado post-metal, mas é de facto isso que ouvimos com Vyre? Não há aqui nada post-metal. Vamos chamar-lhe atmospheric metal ou symphonic metal e depois logo se vê? Rótulos são mais importantes para a imprensa do que para o público – disso sabemos. Basicamente, os Vyre seguem a mesma toada de bandas icónicas como Arcturus ao oferecerem aquela sonoridade luzidia proveniente das teclas que contrasta com as vozes berradas, e está garantida uma viagem pelo cosmos sem que saiamos do planeta Terra. Se há partes menos excitantes – como algumas estrofes que têm de estar ali –, também é verdade que as teclas e os arranjos orquestrais dão ao álbum aquilo que ele realmente precisa, estando portanto a falar-se de uma capacidade cativante que agarre quem ouve. E quando não é dos teclados ou dos arranjos orquestrais que vem essa catchiness, então podemos contar com leads de guitarra lindamente executados ou refrãos épicos compostos por vocais limpos. Todavia, mesmo que seja um disco com valor – ouvi-o três vezes antes de escrever esta análise –, a verdade é que o melhor acontece na recta final com as faixas “We Are the Endless Black” e “Away Team Alpha” devido ao seu teor épico, melódico e cativante. Em última análise, os Vyre poderão ser acusados de serem uma cópia de Arcturus, mas, como bons músicos que são e cientes de que conseguiram algo interessante com “Weltformel”, deverão viver bem com isso.

7/10
Topo