#ChooseUltraje

Features

[Reportagem] HMF XXV – Mangualde a ferro e fogo

João Correia

Publicado há

-

Chris “Mean Man” Holmes (Foto: João Correia)

Pese o facto de às três da tarde o chão de terra dos arredores apresentar gelo, a XXV edição do Mangualde – Hard Metal Fest (HMF) resultou num ambiente infernalmente quente devido à enchente cada vez maior de massa humana que acorre ao chamamento anual de José Rocha. Ponto de encontro de muitos amigos e bandas, o HMF já é uma instituição em Portugal por si só, o que explica facilmente a sobrelotação do recinto, sendo quase impossível andar de um lado para o outro a partir de determinada hora. Vários testemunhos no local disseram-nos que estão presentes mais pelo convívio do que pelas bandas em si, mas logicamente juntam o útil ao agradável para verem colectivos que nunca viram ao vivo ou que desconhecem por completo.

Os Basalto foram os primeiros a pisar o palco e a debitar o seu doom/post-metal cavernal. A actuação decorreu sem percalços e o som do conjunto invoca o seu demónio por excelência continuamente – o riff pesadão e arrastado. Tecnicamente, os Basalto são simples, o que não significa ‘maus’, pois a descarga de violência sónica resulta, mesmo que de forma moderada. Com “Doença” ainda fresco (2018), tocaram um set que oscilou entre o doom mais lento e partes stoner mais revivalistas e animadas, saldando-se o concerto num exercício mediano. Foram a opção certa para dar início a um dia bastante longo.

Basalto (Foto: João Correia)

Entre cada banda há uma intermissão de cerca de 15 minutos, o que dá tempo para fumar, falar, comer e beber, bem como rever amigos e conhecer mais pessoas. Os portugueses Affäire entraram de seguida e proporcionaram cerca de meia-hora de hardrock/heavy metal que toca no mesmo compasso de Mötley Crüe, Guns n’ Roses e Skid Row, entre outras, mas sem 1% da chama de qualquer uma dessas bandas. Em palco, os Affäire são monótonos, desprovidos de temas que prendam o ouvinte; o vocalista D. D. Mike tem uma voz demasiado grave para o glam/sleaze rock que reinou incólume durante a década de 80, o que também não ajuda. Instrumentalmente são bastante simples, com um ou dois solos a salvar  a honra da banda, mas o que realmente fez maior impacto foi a ausência de emoção em palco, a falta de movimento, a apenas aparente falta de experiência com o público (afinal, a banda remonta a 2011). Desiludiram, mas ficámos a pensar que com mais dedicação e feeling (nitidamente ausentes) a prestação ao vivo poderá ganhar uma nova dimensão.

Logo após, os Dark Oath prepararam-se para mais um concerto que habitualmente convence, mas tiveram azares durante todo o set, que começaram imediatamente na intro devido a um cabo com mau contacto. Tudo isto pode ser resolvido com facilidade, e a ideia de apresentar a banda com uma intro apelativa gorou-se devido a um cabo. Acontece. Já a voz de Sara Leitão sofreu de outro tipo de interferência, que presumimos ser devida ao tempo gelado que vivemos actualmente. Isso não impediu que a frontwoman tentasse comunicar com o público, ainda relativamente escasso à altura, mas que também não foi realizado com grande emoção/naturalidade. Musicalmente, a vocalista sabe o que faz, mas diz-nos a experiência que pode vir a ser muito melhor em termos de carisma, de contacto. Em termos instrumentais, nada a apontar – trata-se de um som fácil de gostar: é épico, melódico, pesado e algo técnico. A adição de Tiago Correia (Analepsy) como live drummer fez bem aos Dark Oath, que acidentalmente ficaram mais pesadões, um ponto sempre a favor.

Balmog (Foto: João Correia)

Seguiram-se-lhes os galegos Balmog. Há sempre uma banda qualquer inicial que nos faz virar os olhos em direcção ao palco ao mesmo tempo que pensamos ‘o que é isto?’. Assim aconteceu com os Balmog, praticantes de black/death metal com contornos vocais no mínimo interessantes. Por partes: a secção instrumental é potente, violenta e insistente sem entrar em exageros, mas é a voz de B que colhe todas as atenções quando nos faz lembrar Heroes del Silencio e, de seguida, qualquer banda de black metal clássica. A gama vocal de B eleva o som dos Balmog a outro patamar sem grandes dúvidas. Outra nota a apontar é a eficácia de V, o baterista de serviço, que imprime uma pujança fortíssima à banda. Na estrada a promover o recente “Vacvvm” (2018), foram seguramente a banda que mais nos impressionou no sábado passado.

Por volta das 18h55 foi a vez dos Ironsword, colectivo de heavy metal clássico de Lisboa que já contava com uma saudável legião de fãs entre o público. Na estrada desde 1995, pouco haveria a apontar aos Ironsword no que toca a prestação ao vivo, e foi exactamente isso que sucedeu no XXV HMF, onde tivemos oportunidade de ver uma banda rodadíssima, muito confiante em palco e com faixas já clássicas dentro do movimento nacional, casos de “Burning Metal” e “Dragons Of The Sea”, ambas tocadas no festival. O desempenho geral foi muito bom, que é sempre o mínimo que se espera de uma banda responsável por discos como “Ironsword” e “Return Of The Warrior”.

Night In Gales (Foto: João Correia)

O primeiro nome grande da noite foi Night In Gales, o colectivo clássico alemão de death metal melódico com severas influências suecas. Após um começo com o pé direito em 1997, com o promissor “Towards The Twilight”, a banda encarreirou pelo mesmo som uma e outra vez, o que fez com que perdesse o ímpeto  inicial e tivesse caído um pouco no esquecimento. Felizmente, ao vivo, os Night In Gales levam-nos de volta a 1997, tal é a energia e a velocidade, violência e competência do quinteto. Os temas de outros tempos estiveram presentes na forma de “Razor” e “Autumn Water”, o que não impediu os germânicos de apresentarem pérolas recentes como “The Last Sunsets”, extraído do último trabalho da banda (2018). A qualidade de som esteve impecável, e o regresso recente de Christian Müller ao comando da voz e a potência inquestionável de Adriano Ricci na bateria fizeram do concerto de Night In Gales o mais sólido da noite. O slam, os circle pits e algum stagediving confirmaram-no. Chapeau!

Seguiu-se Chris “Mean Man” Holmes, uma figura bastante aguardada pela geração dos entas. Corresponsável por alguns dos temas mais viciantes e pesadotes do hardrock/heavy metal norte-americano enquanto membro dos W.A.S.P., apresentou algumas das músicas mais marcantes dessa época – como “Blind In Texas”, “I Wanna Be Somebody” ou “Animal (Fuck Like A Beast)” -, o que fez do concerto pouco mais do que um revival set de uma banda lendária, com certeza, mas que apela a uma fatia muito reduzida dos festivaleiros. Em vez de bom, pareceu-nos um concerto OK – não é que os que o esperavam tivessem saído da sala defraudados, mas custou-nos ver um representante desta envergadura a basear a sua performance em temas de W.A.S.P. quando poderia investir mais em novos originais. Não aqueceu nem arrefeceu, mas teve o seu público-alvo rendido desde os primeiros instantes.

Steve Grimmet (Foto: João Correia)

Seguiu-se outra lenda de outros tempos: Steve Grimmet, membro fundador dos Grim Reaper. Para variar, também não faltaram fãs dos entas colados à frente do palco a debitar refrãos como se conhecessem a banda desde os anos 70 (e na volta conhecem). A vitalidade de Steve Grimmet e o seu know-how para comunicar com o público estão reservados só para alguns. Se dúvida houvesse, desvaneceu-se quando Steve levou o público a cantar com ele “Don’t Talk To Strangers”, clássico original de Ronnie James Dio e que o vocalista desempenhou em jeito de tributo. Desde os momentos iniciais da música que o público se rendeu ao vocalista, entoando a letra em coro, respondendo aos seus desafios e finalizando pouco após num concerto bastante interessante e que vale a pena presenciar pelo menos uma vez. Ficámos a pensar de como teria sido uma actuação dos Grim Reaper nos seus tempos áureos.

Como nem só de heavy metal e rock se faz um HMF, as vertentes mais pesadas começaram a suceder às velhas gerações. Os thrashers irlandeses Gama Bomb provocaram o maior arraial de pancadaria no festival com constantes circle pits e slam a decorarem a frente do palco. Vimo-los anteriormente no Vagos Metal Fest e não deixaram grandes saudades, mas a actuação da banda no HMF foi diferente, talvez mais íntima e adequada, com um som a roçar o perfeito e as mesmas bocas de sempre do vocalista Philly Byrne. “Quem quer ouvir um tema de Slayer?”, perguntou, para resposta efusiva do público. “Então vão a um concerto de Slayer!”, respondeu. Também a promoverem o recente “Speed Between The Lines” (2018), são o exemplo perfeito de uma banda thrash revivalista: não apresenta novidades, não oferece música para pensarmos sobre ela, mas, em contrapartida, proporciona 40 minutos de bandalheira sónica perfeita para entusiastas do pit. Aprovados.

Agressor (Foto: João Correia)

Na mesma linha de peso, seguiu-se a penúltima oferta desta edição, os lendários Agressor. Os franceses praticam um death/thrash metal de alta qualidade desde a sua incepção com o lançamento do não menos lendário “Neverending Destiny”, editado em 1990 e que trouxe a banda a Portugal nesse ano ao saudoso Rock Rendez-Vous. Muito mudou desde então, mas, em termos de identidade, os Agressor mantiveram-se fiéis ao som que os caracteriza: técnico, veloz, agressivo e com identidade própria. Rapidamente começou o stagediving e o slam, com um Alexandre Colin-Toquaine (voz) bastante divertido com a movimentação e um sempre demolidor Kévin Paradis (Benighted) a tomar conta da já por si extrema secção rítmica dos Agressor. Não faltaram clássicos como “Rebirth” e “The Sorcerer”, que eram esperados por meia-dúzia de fanáticos da banda e que por eles foram devidamente  celebrados. Exceptuando um ligeiro problema de som a meio da actuação, tratou-se de um concerto à moda antiga: rápido, rijo e que fez mossa tanto a quem os conhecia como aos restantes.

Para finalizar as hostilidades, o HMF convidou os nacionais Analepsy para encerrar o cartaz com chave de ouro, do pesado. Basearam a sua prestação em temas bem conhecidos como o inicial “Apocalyptic Premonitions” ou “Engorged Absorption”. São o tipo de banda que temos a certeza que cumpre do princípio ao fim sem desiludir e, fora dois pregos, foi o concerto que ninguém se deveria importar de esperar para encerrar o festival.

A organização continua a demonstrar boas práticas a cada edição: os preços mantêm-se baixos (por ex., 5 cervejas por 5 euros), a aposta musical continua a ser diversificada e o bom ambiente geral que se sente no HMF é motivo mais do que suficiente para ir e repetir sem receio. Lá estaremos na XXVI edição.

-/-

Texto: João Correia
Fotos: João Correia, à excepção de Anaplesy por Filipe Gomes

Features

[Antevisão] SWR Barroselas Metalfest XXII: faz-te ao aço!

Diogo Ferreira

Publicado há

-

A realizar-se entre os dias 26 e 28 de Abril, a 22ª edição do SWR Barroselas Metalfest conta, à cabeça, com três nomes históricos. Na abertura dos anos 1980 apareceram os californianos Saint Vitus com o seu doom metal old-school, sendo que o terceiro álbum “Born Too Late” (1986) é um dos marcos discográficos; o álbum homónimo, que repete o título do debutante de 1984, é o trabalho que se segue e será lançado na Europa pela Season Of Mist em Maio.  Fundados na mesma década, mas já no seu final, os ingleses Godflesh são pioneiros da combinação entre metal e industrial; com um hiato pelo meio, a dupla tem sido capaz de lançar álbuns regularmente, sendo “Post Self”, de 2017, o mais recente. A finalizar este pertinente trio no panorama da música negra e pesada, os também ingleses Benediction serão a atracção principal do SWR no que ao death metal diz respeito; muito activos no lançamento de álbuns nos anos 1990, estes veteranos têm em “Killing Music” (2008) o último longa-duração, mas têm comemorado a sua ligação à Nuclear Blast com a box “The Nuclear Blast Recordings”.

 

O black metal fica assegurado com a presença de Craft, banda sueca que tem sido um dos baluartes do subgénero na Season Of Mist; quebraram um silêncio de sete anos quando, em Junho de 2018, lançaram o aguardado “White Noise and Black Metal”. Ainda referente ao black metal, o SWR receberá a prestação dos, agora mais progressivos, Ascension, dos ritualistas Barshasketh ou dos fúnebres portugueses Morte Incandescente. Por seu turno, a veterania ficará ao cargo dos recém-regressados death metallers Vomitory – suecos que lançaram cinco álbuns na primeira década do Séc. XXI -, e o sangue novo será jorrado pelas brasileiras Nervosa que com “Downfall of Mankind” (2018) deram mais patada ao seu thrash metal veloz com a inclusão de condimentos death metal.

 

Analepsy e Serrabulho são duas bandas portuguesas que têm dado que falar pela Europa fora e darão o seu contributo artístico a um dos mais importantes festivais do nosso país. Dispensando grandes apresentações, o death metal técnico dos primeiros, ouvido em “Atrocities from Beyond” (2017), continua a rodar incessantemente, e a paródia fará parte da prestação dos Serrabulho com o seu happy/party grindcore renovado no álbum “Porntugal (Portuguese Vagitarian Gastronomy)” (2018). Menções honrosas para o regresso dos nacionais Namek, para os franceses Arkhon Infaustus, para os finlandeses Demilich e para os norte-americanos Imperial Triumphant.

 

Para além dos dois palcos interiores, onde irão desfilar as bandas atrás referidas, haverá espaço para a habitual SWR Arena onde mais de 20 bandas iniciarão e encerrarão cada dia do SWR, com destaque para Grog, Sacred Sin, Scúru Fitchádu, Humanart, Nakkiga, Son Of Cain, Summon e Greengo. Sem merch, comida e bebida não há festivaleiro que aguente, portanto quem se deslocar a Barroselas poderá com certeza adquirir aquela t-shirt ou aquele vinil que tanto quer de barriga cheia.

 

O passe-geral tem um preço de 78€ e o bilhete diário tem um custo de 38€. Todas as informações estão disponibilizadas no site oficial do festival.

Continuar a ler

Features

[Reportagem] Sick Of It All + Good Riddance + Blowfuse (21.04.2019, Lisboa)

Publicado há

-

Sick Ot It All (Foto: Solange Bonifácio)

-/-

Sick Of It All + Good Riddance + Blowfuse
21.04.2019 – Lisboa

-/-

O nome Sick Of It All destaca-se por si mesmo, sendo uma das maiores referências no hardcore de Nova Iorque. A banda formada, em 1986, pelos irmãos Lou e Pete Koller, Rich Cipriano e Armand Majidi ajudou a consolidar este estilo musical e a comunidade existente até aos dias de hoje. Deste modo, esperava-se mais uma noite lendária no RCA Club, em Lisboa – uma sala completamente esgotada.

Os Blowfuse são actualmente uma das bandas de punk-rock/hardcore espanholas mais conhecidas e activas e os escolhidos a abrirem as hostilidades desta noite de concertos. Com recentes passagens por Portugal, a banda tentou cativar um público – ainda um pouco tímido – com a sua atitude energética.

Mal os Good Riddance subiram ao palco, o público perdeu rapidamente a inibição e começou de imediato o circle pit. A banda mostrou-se bastante contente devido ao facto de finalmente voltarem a tocar em Portugal após tantos anos de ausência. São muito conhecidos por temas líricos que vão desde análises de críticas à sociedade americana a lutas pessoais, tendo sempre como base um punk-rock rápido e melodias cativantes. Nada disso faltou no concerto que deram, tocando uma setlist bastante diversificada. O baixista Chuck Platt, sempre com discursos divertidos, chegou inclusive a pedir para vestir uma t-shirt com o símbolo anarquista de um dos fãs com a promessa de a devolver no final do concerto. Houve ainda oportunidade para se cantar os parabéns ao baterista Sean Sellers.

Os Sick Of It All estão na sua terceira década de carreira entre tours e gravações, tendo lançado até à data mais de duas mãos cheias de discos sólidos mais outros tantos EPs, isto com quase nenhuma mudança na sua formação. Com o lançamento de “Scratch the Surface”, em 1994, levaram o hardcore nova-iorquino até ao resto do mundo e, desde então, raramente pararam para respirar. A banda é das poucas lendas dentro do hardcore ainda no activo com formação inicial e de modo consistente. Entre sing-alongs, stage divings e um wall of death, os Sick Of It All tocaram com uma frescura tremenda, evocando tempos antigos, e consolidando novamente o facto de serem umas verdadeiras lendas vivas, reverenciadas por diversos motivos. Mais do que isso, são um exemplo de ideais e raízes, das quais futuras gerações podem ter como base e referência. BLOOD, SWEAT AND NO TEARS – o hardcore mantém-se bem vivo.

-/-

Texto e fotos: Solange Bonifácio

Continuar a ler

Features

Possessed: terceiro episódio de “The Creation of Death Metal”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

O novo álbum dos padrinhos do death metal Possessed intitula-se “Revelations Of Oblivion” e será lançado a 10 de Maio pela Nuclear Blast. Os singles “No More Room in Hell” e “Shadowcult” já estão em rotação.

A banda liderada por Jeff Becerra passará por Portugal para duas datas:

Entretanto, já podes ver o terceiro episódio de “The Creation of Death Metal” em que a banda fala sobre as diferenças regionais da sonoridade death metal nos EUA.

 

 

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #21