#ChooseUltraje

Banda do Dia

Banda do Dia: Blood River (Chile – melodic death metal)

Diogo Ferreira

Publicado há

-

3540432645_photo

Banda: Blood River
Último lançamento: “The Quiet of the Seas” (2017)
País: Chile
Estilo: melodic death metal
Para fãs de: Children of Bodom, Norther
Respostas de: Matías Sáez (teclados)
Links: Facebook | Bandcamp

Sobre o último lançamento:
«O conceito principal de “The Quiet of the Seas” baseia-se no Caso Aysén, ocorrido na Patagónia chilena, em que aconteceram múltiplas ‘mortes inexplicáveis’ na região de Aysén entre 1997-2001. Inspirámo-nos nisso e criámos uma história fictícia baseada neste caso e no livro “Almas en el Río”, que fala sobre o mesmo. “The Quiet of the Seas” é um álbum de múltiplas caras. Viaja através de paisagens ambientais e tranquilas até malhas pesadas e com grande poder, melodias características, solos de guitarra e teclado, blast-beats… Um disco brutalmente melódico. Este disco é a nossa carta de apresentação. As nossas metas passam por tocar muito, onde quer que seja e onde quiserem a nossa música, para além de querermos dar início as grandes coisas no futuro.»

Ambições:
«A banda tem aspirações profissionais. Trabalhar duro para mostrar a nossa música a nível nacional e internacional, criar material (audiovisual, musical, etc.) e continuar a trabalhar para oferecer bom material que nos faça sentir satisfeitos.»

Influências/referências:
«As bandas que nos marcaram na infância foram Children of Bodom e Norther. A banda nasceu com esses dois nomes muito pegados à pele, tanto com as covers que tocávamos como na forma de compor. Com o passar dos anos fomos conhecendo mais bandas e música, tanto do mundo do metal como de outros mundos. Wintersun, Stratovarius, Celesty, Rhapsody of Fire, Dream Theater, Insomnium, Trivium, Symphony X. Destas e doutras bandas sacamos coisas de que gostamos e agregamo-las na nossa música, esperando que tudo soe bem até conseguirmos o que temos hoje.»

Futuro:
«Queremos continuar a tocar em vários sítios para conseguirmos todas as oportunidades que temos ao nosso alcance, para além de começarmos a trabalhar no álbum seguinte. O resto acontecerá ao longo do caminho, mas confiamos que tudo será bom.»

Banda do Dia

Banda do Dia: Absentation (Síria / death metal)

Joel Costa

Publicado há

-

Os sírios Absentation têm em “Ascending to Desolate” (Fevereiro 2018) o seu mais recente trabalho, que surge 11 anos após o estreante “Mental Battle Resurrection” devido à crise que teve lugar na Síria. Neste disco o duo de Damasco fala-nos de um mundo governado pela falsidade: «As trevas que o ser humano tem dentro de si tornaram-se a regra número um para se integrarem nesta sociedade falsa. Vivemos através de falsas religiões que nos dividiram com os seus mitos supersticiosos, e também damos ênfase a todas as religiões abraâmicas, onde as descrevemos como malignas. Há uma manipulação por parte do governo e uma lavagem cerebral com o nacionalismo para que as pessoas morram pelos seus superiores. Usa-se a democracia como uma ferramenta e isto é válido para todos os países. Temos também uma música contra o racismo, intitulada “Constipated Gene”, pois estamos a presenciar a ascenção dos partidos de direita e das ditaduras. É um álbum que aborda a escuridão que não nos deixa viver juntos como um só.»

A banda de death metal prepara agora o seu terceiro longa-duração, cuja edição está prevista para o início de 2019.

Absentation é recomendado a fãs de Death, Morbid Angel, Suffocation, Nile e Deicide.

Links: Facebook | Bandcamp

Continuar a ler

Banda do Dia

Banda do Dia: Graveshadow (EUA – power/symphonic metal)

Diogo Ferreira

Publicado há

-

8068c5b6-1aef-4cc0-8377-0a442505efaf

Banda: Graveshadow
Último lançamento: “Ambition’s Price” (M-Theory, 2018)
País: EUA
Género: power/symphonic metal
Links: Facebook | Bandcamp
Respostas: Roman Anderson (bateria)

Sobre o novo lançamento:
«Para este álbum quisemos focar-nos na produção e tentar captar o nosso som ao vivo. O Armand John Anthony (Night Demon) ajudou-nos a alcançar isso no [estúdio] Captain’s Quarters. As guitarras, o baixo e a bateria soam mais pesadas e a Heather adicionou várias camadas à sua voz, o que contribuiu para o som que queremos. O processo de composição foi um pouco diferente desta vez. O Aaron compôs duas músicas enquanto estávamos na estrada usando o seu iPad para fazer tudo. Duas canções deste álbum até têm alguns anos. Outras foram compostas dois meses antes de entrarmos em estúdio.»

Ambições:
«O nosso objectivo principal é fazer tours o máximo possível! Queremos continuar a mostrar o nosso nome e esperamos que com o lançamento do novo álbum consigamos atrair mais fãs!»

Influências/referências:
«Os membros da banda têm influências diferentes, isso é certo! É o que nos faz ser únicos, porque focamo-nos mesmo em combinar as nossas influências com a nossa própria sonoridade, e assim esperamos criar algo fresco! Adoramos algumas bandas como Iron Maiden, Devin Townsend Project, Led Zeppelin, Eternal Tears of Sorrow e HIM.»

Futuro:
«Agora em Abril damos suporte aos Sirena e aos Threat Signal na digressão pela Costa Oeste [EUA]. Esperamos planear a nossa própria digressão para o próximo Verão e depois no Outono. Também temos mais vídeos em curso, portanto vamos estar muito ocupados e activos!»

 

 

Continuar a ler

Banda do Dia

Banda do Dia: Tengil (Suécia – post-hardcore / shoegaze)

Diogo Ferreira

Publicado há

-

rsz_tengil5

Banda: Tengil
Último lançamento: “shouldhavebeens” (Prophecy Productions, 2018)
País: Suécia
Género: post-hardcore / shoegaze
Links: Facebook

Sobre o novo lançamento:
«”shouldhavebeens” foi composto durante 2015 e 2016, e foi gravado em Dezembro de 2016 no Nacksving Studios em Gotemburgo. Com o Anton, o nosso anterior baterista, a sair da banda após o lançamento de “Six” [2015], o Pontus ocupou-se dessa tarefa, tornando os Tengil num trio. Fazer digressões desta forma fez-nos cair no mar das loopstations e muitos dos conceitos para “shouldhavebeens” foram escritos. Depois de um concerto na Suécia, em 2016, o Tobias chegou até nós e quis juntar-se à constelação como baterista, assim uma nova amizade foi formada. Tengil era novamente um quarteto. “shouldhavebeens” conta a história de dois amigos, três passagens de ano e uma ânsia maior do que a vida. O disco aponta a falar sobre nostalgia, saudade, doença mental, decadência, a promessa do amanhã e como a nossa visão colectiva do futuro determina aquilo em que nos tornamos.»

Ambições:
«Queremos tocar ao vivo o máximo possível, ter liberdade criativa e fazer vida da arte.»

Influências/referências:
«Não temos influências para além dos nossos pensamentos e sentimentos sobre a realidade e sobre as coisas que vivemos. É claro que gostamos de diferentes tipos de arte e é possível que isso nos tenha inspirado subconscientemente, mas não é que gostemos de uma canção em particular e queiramos que a nossa música soe exactamente a isso.»

Futuro:
«De 26 de Abril a 5 de Maio vamos estar no Japão com a constelação japonesa Wombscape. De 18 a 30 de Maio vamos andar pela Europa com novos amigos Setsuko e de 15 a 24 de Junho com os nossos amigos Nionde Plågan. Depois do Verão vamos começar a trabalhar em material novo e esperamos juntar-nos a uma digressão como banda de suporte para atingirmos o próximo nível.»

 

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #17