#ChooseUltraje

Features

Barroselas é sangue e fogo (por Diogo Ferreira)

Diogo Ferreira

Publicado há

-

swr

Isto não é uma reportagem. Isto é um texto de um festivaleiro que, neste início, ainda não sabe onde as palavras o levarão. O que é certo é que vale sempre a pena escrever sobre algo que amamos com todas as nossas forças, mesmo que esteja a sofrer as terríveis dores físicas e mentais de uma ressaca resultante de um dia em cheio em Barroselas e que culminou em dois ou três estrondosos vómitos com a cabeça de fora num carro conduzido pelo Hrödulf, dos Azagatel. Não devia ter comido aquela última bifana antes de Misþyrming. (foi a bifana, foi…)

Obviamente que falo a título pessoal. Ir a Barroselas não é só ir a um festival. Barroselas junta, todos os anos, a nata do metal nacional – quer sejas artista ou público (porque, sim, são os duros que vão a este festival). Ir àquela localidade minhota – que, apesar de pequena, é a grande capital do metal português – é encontrares amigos e pessoas que admiras e parar para conversar: os irmãos Veiga (da organização), o Daniel (Altare Productions), o Flávio (Signal Rex), o Rui (Terror Empire / Mosher), o Vulturius (Irae) que tocou com Scum Liquor, o Devasth (Lux Ferre), o Gonçalo (Repressão Caótica), o Zé Pedro (Holocausto Canibal) e o João (RDB) que actuaram em Dementia 13, o Ricardo (Holocausto Canibal), o Micael (RDB), o Inglês (Equaleft), o Miguel (Atila, Névoa), a Joana (Arte Sonora), o Pedro e o Manuel (ambos da Bunker), o Cunha que é emigrante e vejo poucas vezes, a Guida que também é emigrante e veio de propósito ao SWR.

Ir a Barroselas também é ser-se uma ‘louca do shopping’ (como escrevi na minha página de Facebook). Pior de tudo é que se estás bêbado e és comprador compulsivo, então o resultado para a carteira vai ser devastador. E foi. Não me arrependo. Nem da cerveja que bebi, nem dos euros que gastei em vinis.

Dar uma saltada ao SWR é sentires-te bem à volta daquelas pessoas que todos os anos peregrinam até lá. Raras são as vezes que se percebe que alguém está ali porque é fixe ou porque é moda ir ao SWR. Barroselas é o nosso mundo, é onde nos sentimos bem, é onde chocas o copo com um desconhecido e ainda levas uma cerveja de borla, é onde devíamos ser enterrados, um dia quando morrermos, como se um panteão do metal se tratasse.

p.s.: não é todos os dias que se vê Taake, c*ralho!

13043526_1183066121725959_410153495282463135_nUma foto má para recordar um dia bom.

Features

Nuno Bettencourt, Tom Morello e Scott Ian tocam tema de Game Of Thrones

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Consagrada como uma das séries mais populares de sempre, Game Of Thrones, que terminou na última madrugada, teve a capacidade de exultar nos seus fiéis seguidores todas as emoções desde o seu início com o genérico criado por Ramin Djawadi.

No clip abaixo, Djawadi é acompanhado por Dan Weiss (criador da série), Tom Morello (Rage Against The Machine), Scott Ian (Anthrax), Nuno Bettencourt (Extreme) e Brad Paisley numa jam session com as novas guitarras Fender em que tocam precisamente o tema principal de Game Of Thrones com muito free-style solista pelo meio.

Continuar a ler

Features

Sabaton History Channel, ep. 15: o Barão Vermelho

Diogo Ferreira

Publicado há

-

No novo episódio do Sabaton History Channel, Joakim Brodén e Indy Neidell escolhem falar do tema “The Red Baron” que pertence ao próximo álbum “The Great War”, a ser lançado a 19 de Julho pela Nuclear Blast.

O Barão Vermelho é um do ícones heróicos da I Guerra Mundial que, simultaneamente, engloba a mecanização e a romantização da guerra moderna com as suas habilidades e heroísmo. Manfred von Richthofen é o nome verdadeiro do piloto que é, então, recordado em mais um episódio do Sabaton History Channel.

Mais episódios AQUI.

Continuar a ler

Features

Jinjer ao vivo no Resurrection 2018 (c/ vídeo)

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Foto: Veronika Gusieva

Abaixo podes assistir à prestação dos Jinjer no Resurrection de 2018. Recentemente disponibilizado pelo próprio festival, este vídeo servirá para aguçar a vontade que os fãs desta banda têm para os ver no Vagos Metal Fest deste ano. Nos quase 40 minutos de concerto, os Jinjer executaram temas como “Words Of Wisdom”, “I Speak Astronomy”, “Pisces” ou “Captain Clock”.

O EP “Micro”, lançado em Janeiro de 2019 pela Napalm Records, é o registo mais recente dos ucranianos que, como referido, actuarão no Vagos Metal Fest, evento que se realiza entre 8 e 11 de Agosto. Stratovarius, Six Feet Under, Satyricon, Candlemass, Death Angel, Watain e Alestorm são alguns dos nomes do cartaz.

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #21