#ChooseUltraje

Features

[Exclusivo] Bolt Thrower: Os Senhores da Guerra, parte II

Pedro Felix

Publicado há

-

13334728_1161793660539296_402092695_o

[continuação da parte I]

Antes do lançamento de “Mercenary”, agora pela Metal Blade, Martin Van Drunen e Martin Kearns abandonam a banda e, para a gravação do álbum, Karl Willetts regressa temporariamente, enquanto a bateria é ocupada por Alex Thomas. Pela primeira vez, a banda tem controlo total sobre a gravação. «[Com] “Mercenary” […] foi a primeira vez que tivemos controlo total. Nós é que misturámos, produzimos, gravámos, por isso fazemos tudo. “Mercenary” foi a nossa primeira tentativa, ainda estávamos a testar. Tínhamos a banda e a ideia do som, mas ter melhor produção era fundamental.» “Mercenary”, sexto lançamento, inclui o tema “Sixth Chapter” que mantém a tradição da numeração.

Ao mesmo tempo que a promoção do álbum decorria, a Earache lança uma colectânea, “Who Dares Wins”, que incluía os EPs “Cenotaph” e “Spearhead”, e dois temas anteriormente incluídos na compilação “Rareache”. «Não ficámos nada contentes com isso [lançamento da colectânea], mas sabíamos que ia acontecer. Estávamos à espera do “Bolt Thrower Greatest Hits”, mas no fim editaram os EPs de “Cenotaph” e “Spearhead”. Eu não gosto disto, é aproveitarem-se da promoção de um novo álbum numa nova editora», diz Gavin Ward.

Um dos temas incluídos em “Who Dares Wins” é a regravação do tema “World Eater”, numa versão diferente sem blast, algo de que a banda sempre se arrependeu, como recorda Gavin Ward: «O “World Eater” parecia-nos que tinha ficado datado, mas continuávamos a gostar dele como música, por isso tentámos modernizá-lo para encaixar no set, o que foi estúpido. Nunca tocámos essa versão ao vivo.»

Pela primeira vez sem Karl Willetts na voz, que se tinha retirado após a gravação de “Mercenary”, gravam “Honour – Valour – Pride”. Dave Ingram, ex-Benediction, assume as vocais e, por exigência da banda, aproxima a sua forma de cantar ao estilo de Karl para não desvirtuar a sonoridade tradicional da banda. De regresso para o lugar de Alex Thomas estava Martin ‘Kiddie’ Kearns, que, apesar de já ter passado por esse lugar, teve que se adaptar à sonoridade como Dave, pois era a primeira vez que gravava. «Ele tem um grande estilo, mas ele sabia que não podia chegar e pôr a sua marca no álbum. Isso significou que não podia experimentar tanto como queria, porque ele, provavelmente, consegue tocar muito mais, mas nós não queríamos toneladas de bateria por todo o lado, por isso teve que se manter na nossa veia», conta Gavin Ward.

O tema “7th Offensive”, incluído em “Honour – Valour – Pride”, marca o sétimo lançamento da banda, o único sem Karl Willetts na voz.

 

 

O ano de 2005 testemunha a edição do último álbum de estúdio da banda, até ao momento. “Those Once Loyal” foi aclamado pela crítica e deu origem à tour Those Still Loyal, que trouxe os Bolt Thrower pela primeira vez a Portugal, quando actuaram na 9ª edição do Steel Warriors Rebellion – Barroselas Metal Fest.

Coincidente com o lançamento do álbum, foi editada uma edição especial em digipack que inclui o tema extra “A Symbol Of Eight”, que mantém a tradição numérica dos anteriores.

Desde os inícios, uma característica manteve-se inalterável na banda: não editam álbuns nem vídeos ao vivo e só vendem o seu merchandise nos concertos. «Nós temos o merchandise todo, mas não permitimos que vá para lojas ou para empresas de venda por correspondência. O único sítio onde se pode comprar merchandise é nos concertos de Bolt Thrower. O motivo é porque [as empresas] lixam os nossos fãs com preços altos. Por outro lado, imprimimo-lo nós e, se estamos em tour, podemos vender a preços baixos e os fãs não são lixados», evidencia Gavin Ward.

Em Setembro de 2015 a tragédia bateu à porta dos Bolt Thrower. Após um ensaio para a tour australiana, o baterista Martin ‘Kiddie’ Kearns sentiu-se mal, o que não passou durante a noite. No dia seguinte faleceu durante o sono. A tour foi cancelada e a banda encontra-se suspensa até ao momento.

Este artigo é também uma homenagem a este jovem baterista – que conheci pessoalmente quando os Bolt Thrower passaram por terras lusitanas – e que partiu cedo demais, mas que nos deixou um legado de valor incalculável na sua participação nos dois últimos álbuns da banda.

Quando questionado sobre o som de tiro de canhão que se ouve em vários álbuns, Gavin Ward responde: «This gun’s still firing.»

Esperemos que continue a disparar e por muitos anos…

Features

Nuno Bettencourt, Tom Morello e Scott Ian tocam tema de Game Of Thrones

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Consagrada como uma das séries mais populares de sempre, Game Of Thrones, que terminou na última madrugada, teve a capacidade de exultar nos seus fiéis seguidores todas as emoções desde o seu início com o genérico criado por Ramin Djawadi.

No clip abaixo, Djawadi é acompanhado por Dan Weiss (criador da série), Tom Morello (Rage Against The Machine), Scott Ian (Anthrax), Nuno Bettencourt (Extreme) e Brad Paisley numa jam session com as novas guitarras Fender em que tocam precisamente o tema principal de Game Of Thrones com muito free-style solista pelo meio.

Continuar a ler

Features

Sabaton History Channel, ep. 15: o Barão Vermelho

Diogo Ferreira

Publicado há

-

No novo episódio do Sabaton History Channel, Joakim Brodén e Indy Neidell escolhem falar do tema “The Red Baron” que pertence ao próximo álbum “The Great War”, a ser lançado a 19 de Julho pela Nuclear Blast.

O Barão Vermelho é um do ícones heróicos da I Guerra Mundial que, simultaneamente, engloba a mecanização e a romantização da guerra moderna com as suas habilidades e heroísmo. Manfred von Richthofen é o nome verdadeiro do piloto que é, então, recordado em mais um episódio do Sabaton History Channel.

Mais episódios AQUI.

Continuar a ler

Features

Jinjer ao vivo no Resurrection 2018 (c/ vídeo)

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Foto: Veronika Gusieva

Abaixo podes assistir à prestação dos Jinjer no Resurrection de 2018. Recentemente disponibilizado pelo próprio festival, este vídeo servirá para aguçar a vontade que os fãs desta banda têm para os ver no Vagos Metal Fest deste ano. Nos quase 40 minutos de concerto, os Jinjer executaram temas como “Words Of Wisdom”, “I Speak Astronomy”, “Pisces” ou “Captain Clock”.

O EP “Micro”, lançado em Janeiro de 2019 pela Napalm Records, é o registo mais recente dos ucranianos que, como referido, actuarão no Vagos Metal Fest, evento que se realiza entre 8 e 11 de Agosto. Stratovarius, Six Feet Under, Satyricon, Candlemass, Death Angel, Watain e Alestorm são alguns dos nomes do cartaz.

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #21