#ChooseUltraje

Reviews

Spock’s Beard “Noise Floor” [Nota: 7.5/10]

Publicado há

-

Editora: InsideOut Music
Data de lançamento: 25 Maio 2018
Género: rock progressivo

Desde que os Spock’s Beard surgiram, no início da década de 1990, que o rock progressivo norte-americano, daquele que se preocupa mais com as melodias e as estruturas do que com o show off ou o peso, ganhou a sua face mais visível. Ao longo de uma dúzia de álbuns, a banda soube sobreviver ao abandono de dois dos seus frontmen (Neal Morse em 2002 e Nick D’Virgilio em 2011), lançando sempre discos muito relevantes para o género, plenos de profundidade e qualidade.

Agora, ao chegar ao novo registo, o quinteto é uma banda plenamente madura e relativamente estável. Ted Leonard vai no seu terceiro disco no grupo, o guitarrista Alan Morse, o baixista Dave Meros e o teclista Ryo Okumoto são membros veteranos que pertencem ao colectivo desde os anos 1990, e para gravar a bateria de “Noise Floor” a banda fez regressar Nick D’Virgilio. Não admira, por isso, que o novo registo dos Spock’s Beard seja uma espécie de celebração do rock progressivo épico do projecto. Se existe alguma diferença considerável em relação a “The Oblivion Particle”, de 2015, é o facto de a maioria das 12 canções (sim, são grandes, e sim, o disco é duplo) serem um pouco mais melódicas, de refrão mais fácil e directas. Mas não se trata de uma mudança radical: os solos de guitarra de Morse continuam a “chorar” lágrimas de melodia, enquanto Okumoto vai pavimentando a estrada com camadas de Hammond, e a secção rítmica vai respondendo impecavelmente a todas as pequenas e subtis reviravoltas que a escrita de “Noise Floor” lhe põe à frente. Ted Leonard, esse, é o joker conhecido do lado melódico dos Spock’s Beard, com aquela interpretação empenhada e sentida que quem conhece bem os Enchant, a sua outra banda, lhe reconhece e admira.

“Noise Floor” é, por isso, um disco admirável? Não chegamos a tanto. Apesar desse lado mais imediatista e apesar de alguns arranjos acústicos de violino, violoncelo e viola agraciarem alguns dos temas, não chega a ser um trabalho muito diferente dos seus antecessores. É apenas (“apenas”) mais uma dose de Spock’s Beard que, numa fase da carreira em que a criatividade é pouco exuberante mas a classe é invejável, fazem mais um trabalho que não desiludirá os seus fãs mas que não convencerá quem nunca os “comprou”.  Vale o que vale.

 

Reviews

Rebel Wizard “Voluptuous Worship of Rapture and Response”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Editora: Prosthetic Records
Data de lançamento: 17 Agosto 2018
Género: heavy/black metal

O projecto australiano Rebel Wizard pertence àqueles casos de nicho e de segredo mas está na altura de puxar Bob Nekrasov da toca, ainda que o projecto não esteja esquecido nos meandros do underground – afinal de contas, Rebel Wizard está na Prosthetic Records, casa de bandas como Exmortus, Hour Of Penance, Skeletonwitch ou Venom Prison.

O que se passa de tão interessante nesta banda, e em especial neste “Voluptuous Worship of Rapture and Response”, é a mistura que o artista faz entre black metal e heavy metal tradicional. Curioso é também o detalhe que Nekrasov deseja dar aos seus temas, com foco directamente apontado ao comprimento dos títulos: “The prophecy came and it was soaked with the common fools forboding”, “The poor and ridiculous alchemy of Christ and Lucifer and us all” e “Mother Nature, oh my sweet mistress, showed me the other worlds and it was just fallacy” são os melhores exemplos.

Mas como o que importa realmente é a música, em Rebel Wizard tanto podemos sentir o poder melódico e épico de um lead virtuoso heavy metal sacado lá dos anos 1980 – o que geralmente acontece no início dos temas – como podemos ser invocados a participar em rituais misticamente obscuros através de paredes de som cruas e agressivas que nos remetem a sonoridades black metal típicas de países como Austrália e Nova Zelândia, falando portanto de uma crueza sónica bastante pestilenta e gritante.

Que é bom não há dúvida, restando apenas a questão: e se isto fosse captado e produzido de forma mais profissional e polida? Se ouvires este disco poderás fazer a mesma pergunta e talvez não saibas a resposta, porque se a ala heavy metal é capaz de pedir uma captação mais diamantina, as excursões ao black metal estão bem pensadas por mais que se ouça muito ruído estridente. Todavia não será esta dicotomia que nos vai travar de ouvir Rebel Wizard.

Nota Final

 

Continuar a ler

Reviews

Massive Wagons “Full Nelson”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Editora: Earache Records
Data de lançamento: 10 Agosto 2018
Género: rock

O Verão de 2018 tardou mas chegou e para tal nada melhor do que rodar um bom disco de rock n’ roll. Como o Verão não há-de ir já embora, acreditamos que ainda vamos ter muitas ocasiões para ouvir este regresso dos Massive Wagons que, ao longo de 12 faixas directas, nos proporcionam um bom momento musical repleto de malhas rock n’ roll que se inspiram no passado mas que se projectam no presente devido a uma muito boa produção. Todos os membros desta banda inglesa sabem onde se posicionar e todos têm o seu spotlight, mas na verdade esta é uma banda de colectivismo e não individualismo, sendo que tudo funciona muito bem quando unidos faixa após faixa. No entanto, o destaque vai indubitavelmente para Baz Mills que se apresenta um vocalista rock dos quatro costados com um sentido de catchiness incrível que resulta em refrãos orelhudos – mas lá está, sem os companheiros seria impossível chegar-se a secções musicais tão boas, caindo nós na mesma observação anterior de que os Massive Wagons funcionam realmente bem em conjunto. Particularmente, e mesmo com muito humor à mistura, a banda não esquece a crítica à vida digital que levamos em “China Plates”, arranja espaço para uma power-ballad em “Northern Boy” e recorda Rick Parfitt (Status Quo) numa nova versão de “Black to the Stack”. Indicado para fãs de Audrey Horne.

Nota Final

Continuar a ler

Reviews

Reviews avulso: Moenen of Xezbeth | Zero Down

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Moenen of Xezbeth “Ancient Spells of Darkness…” [Nota: 6/10]
Editora: Nuclear War Now! Productions
Data de lançamento: 01 Agosto 2018
Género: black/doom metal

Devotados ao black metal em mid-pace, este projecto belga tem uma orientação crua que arranca de nós sentimentos cavernosos e obscuros muito à custa da sua sonoridade dungeon, provando que é uma produção rude que faz sentido nesta abordagem musical. Há ainda uma inclinação ao doom que se enquadra no tal andamento a meio-passo. Todavia, e por mais honesto que possa ser, as parecenças entre faixas representam o toque do alarme no que ao enfado diz respeito, já que as malhas de guitarra, a voz e a bateria não saem de uma zona de conforto originada no início do disco. Ainda assim, vale a pena mencionar os teclados que oferecem atmosfera e a tal condução a soundscapes oriundas de caves húmidas.

 

-/-

Zero Down “Larger Than Death” [Nota: 6/10]
Editora: Minotauro Records
Data de lançamento: 10 Agosto 2018
Género: heavy metal

Heavy metal old-school naquela vertente NWOBHM é o que podemos esperar desta banda sediada em Seattle (EUA). Malhas corridas, twin-guitars, baixo grosso, algumas vozes high-pitched e até cowbell – está tudo neste “Larger Than Death”, mas falta algo… E deparamo-nos com o problema quando percebermos que os Zero Down não querem passar do revivalismo doutros tempos. Contra isso nada, mas a indústria musical, os fãs e os críticos dão ar de si se quiserem que o tradicional seja respeitado, ainda que com o arrojo de se estar no Séc. XXI e tentar um ou outro toque mais moderno. Esta nova proposta tem o seu vigor próprio, mas falta-lhe um kick épico e realmente cativante que não se destaca alargadamente. Bem tocado, mas pouco memorável.

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #17