#ChooseUltraje

Reviews

Unleashed “The Hunt For White Christ”

João Correia

Publicado há

-

Editora: Century Media Records
Data de lançamento: 26 Outubro 2018
Género: death metal

É louvável que, ao fim de 29 anos de actividade, uma banda de death metal continue a surpreender como quando o fazia nos idos de 90. É o caso dos eternos Unleashed, banda pioneira do viking
death metal que lançou de rajada três álbuns fundamentais (“Where No Life Dwells”, “Shadows In The Deep” e “Across The Open Sea”) e que, com eles, ajudou a alicerçar o futuro do death metal sueco puro: inicialmente básico, mas pleno de originalidade/vitalidade, e porque os solos técnicos estavam quase sempre ausentes, os Unleashed tinham a capacidade de criarem riffs simples, mas imortais (quem não se recorda de temas como “Before The Creation Of Time” ou “To Asgaard We Fly”?). Eram tempos mais simples, tempos em que conseguíamos identificar uma banda pela produção e afinação de apenas uma guitarra, tempos em que cada logótipo era completamente distinto de banda para banda, em contraste com a actualidade.

A partir de 1995, os suecos extinguiram um pouco a sua chama inicial e caíram num limbo de incertezas. Mesmo no princípio dos 2000, os mestres pagãos poucos concertos davam fora da Suécia, excepção feita a concertos de grande dimensão (como o Wacken, em 2002). Ademais, o género de death metal praticado pouco evoluiu, o que quase fez da banda uma glória antiga com pouco ou nada mais a acrescentar. Porém, mais recentemente os Unleashed voltaram a provar de que massa são feitos quando lançaram o muito bem conseguido “Odalheim” (2012), um registo mais violento do que anteriormente e orientado para o death metal com toques de black sueco muito discretos, com uma produção e uma sensação de actualidade sempre com o death metal sueco clássico de fundo e, pasme-se, com solos de alta categoria, oscilando entre o caos e a melodia e, finalmente, os riffs de marca dos Unleashed. Desaceleraram para uma toada mais épica e lenta no álbum seguinte, “Dawn Of The Nine” (2015), mas continuaram a convencer com a crescente qualidade das composições. Tudo isto apontava para um sucessor à altura das lendas escandinavas.

Chegados a 2018, “The Hunt For White Christ” é uma rodela que apresenta todo o potencial de uma banda que fez do death metal o seu ganha-pão. “Lead Us Into War” – a primeira de 11 faixas cuja duração média é quatro minutos e que assenta arraiais na clássica declaração veni, vidi, vice – é um tema extremamente rápido que grita “UNLEASHED!” com todas as letras, principalmente graças aos riffs inconfundíveis de Tomas Olsson e aos solos de classe de Fredrik Folkare, que são caóticos, complexos e perfeitos. Esta fórmula repete-se a cada tema do novo registo, com a particularidade de não aborrecer ou de dar a impressão de dejá vu – “Stand Your Ground” (com a sua afinação de guitarras nitidamente sueca), “The City Of Jorsala Shall Fall” (com o seu compasso mais lento, o que permite a Fredrik demonstrar o quanto evoluiu, que aliás é uma constante em cada tema) ou a final “Open To All The World” (que coroa uma vez mais a cabeça dos verdadeiros reis do deah metal sueco) são temas que marcam e que nos apresentam ainda uma influência de death metal mais técnico extraído de outras paragens que a Escandinávia, com toques de Gojira e até de bandas norte-americanas aqui e ali. O contexto, esse, não varia – anticristianismo, paganismo, os feitos dos vikings e a eterna necessidade dos einherjar em tombarem honrosamente em combate para ascender gloriosamente a Valhalla.

Gravado e produzido nos Chrome Studios por Fredrik Folkare, “The Hunt For White Christ” é um trabalho algo improvável e que nos prova que os Unleashed não são apenas mais uma banda relevante da época de platina do metal extremo, mas sim um trabalho em progresso que logra surpreender mais e mais a cada nova audição e a cada novo registo. Feitas as contas, “The Hunt For The White Christ” vale pelo seu todo e pelos factores novidade (tendo em conta a banda de que se trata) e qualidade, sempre presentes em doses muito generosas e que fazem com que este seja um dos álbuns a ter em atenção dentro do género em 2018.

Nota Final

 

 

Reviews

Dust Bolt “Trapped in Chaos”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Editora: Napalm Records
Data de lançamento: 18 Janeiro 2019
Género: thrash metal

Novos que se inspiram nos velhos, teutónicos que querem soar a americanos. É assim que, frugalmente, podemos classificar os Dust Bolt, mas há, como é óbvio, mais para além disso. Com pouco mais de 10 anos de carreira, estes alemães chegam ao quarto álbum com o estatuto de banda que toca velho mas soa novo. “Trapped in Chaos” é a prova cabal de tal posição na cena thrash metal europeia com temas estipulados em velocidade alucinante que fazem flirt com heavy metal, um solo que faz lembrar muito brevemente Buckethead em “Shed My Skin”, segmentos com groove tenso que pode soar a Pantera para alguns em “Rhythm To My Madness”, uma power-ballad com lembranças de “Fade To Black” em “Another Day In Hell”, bateria dinâmica que faz os címbalos andarem numa fona e variados jogos de voz que operam a condução de alguns temas entre o limpo aberto e o berro também ele aberto.

Por mais que possa parecer hostil – muito à custa das malhas esgalhadas, pois assim é o thrash metal -, “Trapped in Chaos” é até um álbum com uma toada sónica positiva e melodicamente transbordante, com especial foco nos refrãos, e ganchos que se te engatam o lábio levam-te de rastos. Tudo isto, mais a premissa do retro versus moderno, e temos aquilo a que o thrash metal deve ou pode soar mesmo à porta dos anos 20 do Séc. XXI.

Nota Final

 

Continuar a ler

Reviews

OOMPH! “Ritual”

Diogo Ferreira

Publicado há

-

Editora: Napalm Records
Data de lançamento: 18 Janeiro 2019
Género: metal / industrial / EBM

Hoje em dia podemos mencionar Rammstein a toda a hora e momento quando se fala em metal com lances industriais proveniente da Alemanha; no entanto há um pormenor que não podemos esquecer: sem Die Krupps e OOMPH! é muito provável que uma banda como Rammstein nunca tivesse sido formada.

Fundados em 1989, e com formação original intacta, o trio prepara o seu trigésimo aniversário com o 13º álbum, que é apontado pela própria banda como o mais agressivo, pesado e negro em alguns anos. Trinta anos volvidos, os OOMPH! ajudaram, praticamente sem querer, à criação do movimento Neue Deutsche Härte e já eram crossover antes de tal termo existir ao unirem metal e elementos sonoros dançáveis. Aplaudidos tanto no espectro metal como no gótico ou EBM, estes veteranos apresentam 11 novas composições com aquele poder catchy que só este tipo de bandas consegue fornecer e do qual os contemporâneos Lord Of The Lost muito bebem (o vocalista Chris Harms participa até na faixa “Europa”). Para além desse poder orelhudo, é óbvio que as guitarras densas e groovadas ajudam à festa, ainda que a cereja no topo do bolo seja muitas vezes os arranjos electrónicos e orquestrais que pintam um álbum moderno feito por homens muito experimentados na indústria musical.

Nota Final

 

Continuar a ler

Reviews

Venom “Storm the Gates”

João Correia

Publicado há

-

Editora: Spinefarm Records
Data de lançamento: 14 Dezembro 2018
Género: black/thrash metal

É redutor (e até massacrante) referir a importância dos Venom no universo do metal extremo com tudo o que isso aparca: o início selvagem, as alterações de som, a saída dos membros fundadores, o drama envolvido nas disputas entre Venom e Venom Inc., etc.. Afinal, o que importa é sempre a música. Felizmente, estes Venom conseguem trazer-nos um disco de heavy metal da velha-guarda que ultrapassa todos os feudos possíveis, mesmo que de forma limitada.

“Storm The Gates” é o 15.º álbum de estúdio do nome Venom, e quando brilha (o pouco que brilha) é por culpa de Rage e Danté. Se estes dois integrantes pouco ou nada tinham para apresentar devido a passagens anteriores em bandas perfeitamente desconhecidas, é a eles que se deve a vitalidade que encontramos no novo disco, principalmente a Rage. A faixa de abertura “Bring Out Your Dead” revela-nos o que os Venom sempre tiveram como garantido – uma produção bastante agressiva, um som afiado que nem facas e uma secção de percussão simples, mas eficaz. Quanto à voz, mantém-se igual a tantos outros discos de Venom dos velhos tempos, mas quando percebemos as letras, quase que dá para chorar, se não vejamos esta infelicidade extraída de “Dark Night Of The Soul” e saída da pena de Cronos:

“Hey, you motherfucker
What you lookin’ at?
What a fucking loser
Acting like a twat!”

Felizmente, Rage apresenta-nos riffs e estruturas memoráveis, daquelas que entram e não saem e que rapidamente nos fazem esquecer a apatia e ausência de espírito de Cronos – quer no riff inicial de “Bring Out Your Dead”, quer na estrutura viciante de “Notorious”, é fácil de perceber que o pilar principal é o guitarrista. O trabalho de baixo é relativamente inexistente, como se o vocalista/baixista estivesse a cumprir calendário porque a isso é obrigado. O trabalho de bateria é competente, mas muito distante de fantástico. Outra vez – obrigado por salvares o disco, Rage.

As faixas vão-se sucedendo a um ritmo agradável e não causam aborrecimento a qualquer género de fã de metal, até porque se trata de um trabalho tradicional. O motivo para ‘espanto’ surge quando Rage debita um delicioso solo Maidenesco em “100 Miles To Hell”, uma das faixas em que Cronos mais se destaca, mesmo que sem brilhar. “Destroyer” evidencia um pouco mais Danté ao comando das baquetas, mas sem grande emoção. Entretanto, Rage congemina novamente um bom solo caótico, voltando a salvar o dia. “The Mighty Have Fallen” apresenta a passagem mais violenta/rápida de todo o disco, convencendo com a sua cadência e… (drum roll) não um, não dois, mas três majestosos solos de Rage a lembrarem Slayer antigo – vale a pena repetir a faixa apenas para os ouvir de novo. Na seguinte e também bastante rápida “Over My Dead Body” ocorre a simbiose entre Rage e Danté, criando um novo organismo que começa a parecer-se com uma banda clássica. Cronos balbucia qualquer coisa irrelevante e repete a palavra “Propaganda” demasiadas vezes, fazendo lembrar um animal encurralado que, por força das circunstâncias, tem de atacar em vez de se defender, mesmo que de forma atabalhoada e que por isso lhe poderá custar a vida, um tudo-ou-nada por assim dizer. Mesmo nas faixas finais “Suffering Dictates”, “We The Loud”, “Immortal” e a derradeira “Storm The Gate” vingam graças ao homem das seis cordas, que devia receber mais royalties deste disco do que qualquer outro dos seus músicos.

Assim é “Storm The Gates”: um trabalho acima de previsível, mas abaixo de cativante, e no qual o guitarrista de serviço faz a festa, lança os foguetes e apanha as canas, evidenciando-se e destacando-se do marasmo ou desinteresse de Cronos e da falta de culpa de Danté, o que evita que uma banda lendária se torne vítima de si própria. É fácil repetir a audição do disco; não se trata de um colossal tiro no pé, mas está muito aquém das expectativas que um disco de Venom costuma trazer. Outra vez: sem Rage ao comando, os Venom que ouvimos em “Storm The Gates” seria uma embarcação errática, desnorteada e pouco importada em chegar a terra firme.

Nota Final

Continuar a ler

Facebook

#UltrajeRadar

Ultraje #19